Portugal aproveita espaços para golear a Coreia do Norte

Depois de um empate por 0 a 0 com a Costa do Marfim, a seleção de Portugal conseguiu mostrar o seu poderio ofensivo nesta segunda-feira e venceu a Coreia do Norte por 7 a 0, em partida disputada no Estádio Green Point, na Cidade do Cabo, na maior goleada da Copa do Mundo da África do Sul até agora. Para isso, aproveitou os espaços deixados pela seleção asiática.

LEANDRO SILVEIRA, Agência Estado

21 de junho de 2010 | 11h19

Ao contrário da sua estreia na Copa do Mundo, quando atuou fechada na defesa e não se abriu nem quando sofreu o primeiro gol do Brasil na derrota por 2 a 1, a Coreia do Norte decidiu ser mais ofensiva diante de Portugal. A postura até surtiu efeito no primeiro tempo, quando a equipe surpreendeu os adversários, criou várias chances de gol, mas teve a meta vazada por Raúl Meirelles aos 29 minutos.

No segundo tempo, porém, a ofensividade norte-coreana redundou em um desastre. Atuando em velocidade, Portugal explorou os contra-ataques e massacrou os atordoados adversários. Assim, fez seis gols em 45 minutos, com Simão, Hugo Almeida, Tiago, que marcou dois, Liedson e Cristiano Ronaldo.

Na partida, Portugal finalizou 26 vezes contra 15 tentativas dos norte-coreanos, que pecaram pela falta de precisão, já que só acertaram o gol defendido por Eduardo quatro vezes. Já o goleiro Ri Myong-Guk, vazado seis vezes, viu a bola ir ao seu gol outras sete vezes.

Com marcação fraca, a seleção da Coreia do Norte deu muito espaço aos jogadores portugueses. No confronto, a equipe cometeu apenas três faltas, sendo que a primeira aconteceu apenas no início do segundo tempo. Mais competitiva, a seleção portuguesa cometeu 18 faltas e teve mais posse de bola (55% a 45%).

Sem marcar gols pela seleção portuguesa desde fevereiro de 2009, o astro Cristiano Ronaldo lutou muito para acabar com o jejum nesta segunda-feira. Se movimentou, deu assistências e bons passes para os seus companheiros e foi o jogador que mais finalizou na partida. Ele chutou sete vezes, acertou o gol em cinco delas e na última, aos 42 minutos do segundo tempo, deixou a sua marca na goleada de Portugal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.