Portuguesa anuncia fim das dívidas

Dia 6 de janeiro de 2002, Joaquim Alves Heleno assume a presidência da Portuguesa com um déficit de R$ 13 milhões, incluindo salários atrasados de jogadores, R$ 3 milhões, e a consultoria de José Carlos Brunoro, R$ 280 mil. Reúne-se com os atletas e promete acertar as dívidas da gestão anterior. Nesta terça, passados sete meses, o presidente comemora: o clube volta a contar com dinheiro em caixa. Recebeu, da parceria com o Banco Mercantil de São Paulo, carta de crédito de R$ 3 milhões, que servirá de caução para a folha de pagamento do segundo semestre, avaliada em R$ 500 mil mensais, distribuídos entre os 375 funcionários, incluindo os atletas.?Assumimos o clube num momento difícil e, em sete meses, resolvemos o problema?, disse Heleno, orgulhoso. ?E hoje, podemos comemorar, pois somos um dos únicos clubes do País sem dívidas?, concluiu. ?Acompanhamos de perto os problemas da Portuguesa, mas este apoio financeiro também trará retorno ao Banco?, afirmou Ovidio Armelin, vice-presidente executivo do Banco Mercantil. O acordo será comercial e todos os funcionários da Lusa terão contas no banco. E esta estratégia de marketing do banco visa captar clientes da colônia portuguesa no Brasil. ?A colônia vê com bons olhos quem ajuda a Portuguesa, e isso trará recompensas ao Mercantil?, prevê Heleno. Claro que para se estabilizar a Portuguesa teve de tomar medidas drásticas. A primeira foi dispensar 18 atletas em abril, o que resultou em uma economia de R$ 700 mil por mês. O parcelamento foi a forma encontrada para fazer o acerto com os jogadores e com Brunoro, que receberá em 10 vezes. Evandro e Élson, credores das dívidas mais altas, aceitaram receber em 18 meses. O único caso pendente é o do zagueiro Emerson, que preferiu entrar na Justiça para reivindicar R$ 4, 3 milhões. De acordo com Heleno, a dívida é de R$ 450 mil.A folha de pagamento caiu de R$ 1,2 milhão para R$ 500 mil por mês. Boa parte destes R$ 500 mil, ou exatos 50%, virão do novo patrocinador da camisa, segredo guardado a sete chaves por Heleno. ?Estamos acertando um patrocínio de R$ 250 mil por mês.? O contrato anterior, com a Schincariol, era de R$ 115 mil por mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.