Portuguesa arrasa o Santa Cruz em casa

Numa tarde inspirada do garoto Celsinho, a Portuguesa goleou o Santa Cruz, por 4 a 1, neste sábado, no Canindé, em São Paulo, na abertura do quadrangular final do Campeonato Brasileiro da Série B. De quebra, o time paulista assumiu a liderança desta fase decisiva, com três pontos, ao lado do Grêmio, que venceu o Náutico, por 1 a 0, no estádio Olímpico, mas a Lusa leva vantagem no saldo de gols - 3 a 1. Os dois times pernambucanos seguram a lanterna sem pontuar. Com apenas 17 anos, o ?Ronaldinho do Canindé? sofreu um pênalti e marcou um gol, ainda no primeiro tempo, e participou indiretamente do terceiro gol, justificando o valor que o Locomotiv Moscou está pagando por seu atestado liberatório: US$ 7 milhões. Os dirigentes lusos não confirmam a negociação, muito menos os valores envolvidos, mas Celsinho já tem seu destino traçado desde sua volta da seleção brasileira Sub-17, onde sagrou-se vice-campeão mundial, no Peru, perdendo a final para o México. ?Não está nada definido?, jura o diretor de futebol Fernando Gomes. O jogador, porém, vai disputar o quadrangular e poderá ajudar a Portuguesa a retornar para a Série A, em 2006. A própria escalação de Celsinho era incerta, com a provável volta do artilheiro Leandro Amaral. Mas o técnico Giba optou por ambos, sacrificando um volante e armando o time no esquema 4-4-2 com dois volantes, dois meias e dois atacantes. O plano funcionou bem, acuando o adversário. Assim, Celsinho foi derrubado dentro da área aos 17 minutos, quando deu um drible desconcertante sobre Peris. Na cobrança da penalidade, Cléber foi magistral mandando a bola no ângulo direito do goleiro de mesmo nome. Dois minutos depois, voltou a brilhar a estrela de Celsinho. Ele pegou no alto, de primeira, o levantamento alto de Johnson vindo da esquerda. O goleiro Cléber ainda se atirou na bola, mas só a tocou depois que ela ultrapassou a linha de gol. O bandeirinha Jorge Brasil Mourão, com precisão, confirmou o segundo gol. O Santa Cruz se desesperou em campo, mas ameaçou Gléguer duas vezes. Numa delas, aos 23 minutos, Carlinhos Bala acertou o travessão. Em outra, Reinaldo chutou forte em cima do goleiro da Lusa. A situação ficou mais complicada aos 30 minutos, quando Neto foi expulso ao dar uma ?tesoura? por trás sobre Leandro Amaral. O técnico Givanildo Oliveira se viu obrigado a reforçar a marcação com a saída do meia Leonardo para a entrada do volante Júnior Maranhão. Com Celsinho arrebentando, a defesa pernambucana passou a vigiá-lo, o que abriu espaços para outros atacantes como Johnson e Leandro Amaral. Assim, saiu o terceiro gol logo aos 5 minutos, quando Johnson lançou Leonardo, que fez o cruzamento na pequena área e, enquanto todos se preocupavam com Celsinho, a bola sobrou para Leandro Amaral só completar. Ele não marcava há sete jogos, mas confirmou a fama de ?Matador do Canindé?, onde é o maior artilheiro da história, com 66 gols, além de ser o quarto maior goleador do clube, com 111 gols. A Portuguesa continuou melhor em campo, tocando a bola e não tendo dificuldade para neutralizar os poucos ataques adversários. Aos 32 minutos, Celsinho foi poupado e substituído por Mendes. Era o sinal de que a Lusa pensava no futuro. Mas quis o destino que Mendes marcasse o quarto gol, ao se esticar para completar o cruzamento de Oliveira, aos 36 minutos. Aos 40 minutos, o time pernambucano fez seu gol de honra, quando Carlinhos Bala puxou o contra-ataque, recebeu de Paulinho e chutou forte no canto direito de Gléguer. Um prêmio para o esforço e lealdade do time do Santa Cruz, mas uma vitória justa para a Portuguesa. No próximo sábado, o time paulista enfrentará o Náutico, em Recife, onde também acontecerá Santa Cruz x Grêmio.

Agencia Estado,

22 de outubro de 2005 | 18h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.