Portuguesa promete auditoria para 'passar clube a limpo'

Portuguesa promete auditoria para 'passar clube a limpo'

Em busca de irregularidades, clube pretende iniciar uma auditoria detalhada dos últimos seis anos, a fim de obter um 'diagnóstico'

Estadão Conteúdo

19 de novembro de 2014 | 18h00

Bombardeada com uma série de denúncias sobre uma possível escalação irregular premeditada no "Caso Héverton", a Portuguesa pronunciou-se de forma oficial nesta quarta-feira. Através de uma nota assinada pelo vice-presidente de comunicações Luiz Teixeira Gonçalves Filho, a Lusa divulgou que iniciará uma auditoria minuciosa dos últimos seis anos na busca de possíveis irregularidades.

O período contempla o primeiro ano de mandato do atual presidente Ilídio Lico e mais cinco do antecessor Manuel Da Lupa. Será contratada uma empresa em consenso com dirigentes e conselheiros.

De acordo com a nota oficial, esta empresa estará comprometida com as revisões contábeis, fiscais, trabalhistas e previdenciárias. "Não se trata de buscar culpados [...] O objetivo é fazer um completo diagnóstico da Portuguesa, passando o clube a limpo", diz a nota.

A temporada 2014 da Portuguesa tornou-se um verdadeiro inferno astral. Depois de ser rebaixada no "tapetão" por conta do "Caso Héverton", o clube iniciou a Série B com polêmica. Alegando ter um ofício em mãos, que a garantia na elite, a Lusa recuou-se a entrar em campo na estreia com o Joinville. Depois, o time perderia por W.O.

Enquanto em campo era rebaixada na Série B, a Lusa foi surpreendida com um inquérito civil do Ministério Público de São Paulo. O MP concluiu que Héverton foi escalado de forma premeditada em partida diante do Grêmio, no Canindé, após funcionários da Portuguesa terem recebido vantagens financeiras. Em 2013, com a irregularidade, o time foi punido com a perda de quatro pontos e acabou rebaixada para a Série B - na semana passada, faltando cinco rodadas para o fim do torneio, o clube caiu novamente, agora para a Série C.

Na quarta-feira passada, o promotor Roberto Senise Lisboa revelou que o ex-presidente Manuel da Lupa, o advogado Valdir Rocha e o ex-vice-presidente de futebol, Roberto dos Santos, além de outros dois funcionários, foram os possíveis responsáveis pela omissão dos dados sobre a suspensão de Héverton. Senise reafirmou que os indícios apontam para um erro proposital.

O próximo desafio das investigações é descobrir movimentações financeiras que concretizem a fraude. Para isso, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) quebrou o sigilo bancário de funcionários da Portuguesa. O MP reiterou que o clube figura como uma das vítimas do inquérito civil e que a Portuguesa não está sendo investigada.

Beneficiados pela queda da Lusa, Flamengo e Fluminense estão sendo apontados como possíveis clubes que poderiam ter oferecido dinheiro ao time paulista, mas ambos negam de forma veemente qualquer envolvimento neste caso. O STJD afirmou que só irá tomar medidas quando o inquérito for concluído, mas já adiantou que ninguém será punido com rebaixamento.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPortuguesaCaso Héverton

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.