Portuguesa reclama e faz contas

O técnico Giba, da Portuguesa, considerava fundamental obter pelo menos um ponto contra o Marília, sexta-feira, fora de casa. Mas seu time perdeu por 3 a 1, não repetiu a boa atuação que teve na vitória contra o Guarani por 1 a 0 e saiu de campo reclamando da arbitragem.A bronca veio por um lance aos 2 minutos do primeiro tempo, quando poderia ter ficado em vantagem, se não fosse a marcação equivocada de Cléber Welington Abade, que anotou impedimento de Leandro Amaral. O gol fez falta para a Portuguesa, que, no segundo tempo, ainda teve Almir expulso.Pelos cálculos de Giba, são necessários 11 pontos para garantir vaga no quadrangular final. Mas o próximo desafio, na sexta-feira, é complicado, pois se trata do Náutico, líder do Grupo B com 100% de aproveitamento. ?Vamos jogar fora de casa como se fosse no Canindé?, costuma dizer o treinador. A idéia de Giba é chegar à ultima rodada, contra o Guarani, em Campinas, já classificado. Por isso a insistência de garantir os pontos o mais rapidamente possível.Já o Guarani, que acumula duas derrotas na segunda fase ? na sexta-feira, foi goleado pelo Náutico por 4 a 1 ?, está em situação mais complicada. A partir de agora, praticamente se vê obrigado a vencer as quatro partidas restantes, se quiser chegar ao quadrangular final sem depender dos outros. A reação precisa começar na próxima sexta-feira, em casa, diante do Marília. A derrota para o Náutico acabou com a invencibilidade do Guarani em seu estádio na Série B, logo no momento em que os torcedores começaram a acompanhá-lo de perto. Contra o Náutico, por exemplo, o time foi empurrado por mais de 10 mil pagantes. Na primeira fase, o Guarani fez 10 jogos em Campinas, venceu oito vezes e empatou outras duas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.