Portugueses seguram a bola e chutam mais em jogo truncado

O placar de 2 a 0 não faz jus ao amplo domínio de Portugal na vitória sobre o Irã, neste sábado, em Frankfurt. A equipe teve quase o dobre da posse de bola do adversário - 63% contra 37% - e arriscou muito mais finalizações: foram 18 tentativas contra o gol adversário, contra apenas 5 da seleção asiática.A falta de pontaria dos portugueses, no entanto, ajuda a explicar a magra vitória: apenas 10 chutes, pouco mais de 50% das tentativas, chegaram ao gol defendido por Mirzapour. Mas até nisso o Irã foi bem inferior: a única finalização correta foi feita pelo atacante Hashemian, aos 32 minutos do segundo tempo, numa cabeçada bem defendida por Ricardo.A pressão portuguesa também fica registrada nos escanteios: foram 13 tiros de canto cobrados por Portugal, e apenas 1 pelo Irã. Na violência, as duas equipes se equivaleram: o Irã cometeu 18 faltas, uma a menos que os lusos, e teve o mesmo número de cartões amarelos: 3.O brasileiro Deco, que fez sua estréia em Copas do Mundo (uma lesão muscular o tirou do primeiro jogo de Portugal, a vitória por 1 a 0 contra Angola), abriu o placar com um chute certeiro de fora da área, além de fazer de boas jogadas, e , foi escolhido pela Fifa como o melhor jogador da partida.Veja abaixo as estatísticas do jogo:Finalizações: Portugal, 18; Irã, 5 Finalizações certas: Portugal, 10; Irã, 1 Faltas cometidas: Portugal, 19; Irã, 18 Cartões amarelos: Portugal, 3; Irã, 3 Cartões vermelhos: Portugal, 0; Irã, 0 Escanteios: Portugal, 13; Irã, 1 Impedimentos: Portugal, 4; Irã, 3 Posse de bola: Portugal, 63%; Irã, 37% Melhor jogador da partida: Deco (Portugal)(Com fifaworldcup.com)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.