Posicionamento dos atacantes dificultou vitória chilena

Depois da expulsão de Behrami no primeiro tempo, o Chile comandou a partida contra a Suíça nesta segunda-feira, no Estádio Nelson Mandela Bay, em Port Elizabeth. Só chegou ao gol da vitória, no entanto, aos 28 minutos da etapa final, após boa trama finalizada por Mark Gonzalez.

ITAMAR CARDIN, Agência Estado

21 de junho de 2010 | 14h20

Em parte, a dificuldade chilena para chegar ao gol pode ser explicada pelo mau posicionamento dos atacantes. Mesmo com a equipe atuando muito ofensivamente (teve 58% de posse de bola), os jogadores da frente não estavam em sintonia com os armadores. Foram nove impedimentos em toda a partida, o que impedia a equipe de chegar com mais efetividade.

No início do segundo tempo, o Chile chegou a marcar com Sánchez. Mas o gol foi anulado pela arbitragem porque Mark Gonzalez estava em posição irregular e atrapalhou o goleiro Benaglio. O próprio gol da vitória nasceu de uma jogada polêmica - Paredes recebeu em posição duvidosa antes de cruzar para Gonzalez.

A boa atuação de Benaglio também foi determinante para o resultado. O Chile finalizou 20 vezes, sete na direção do gol - o mesmo número de chutes suíços em toda a partida. E quando a bola tinha rumo certo, o goleiro se destacava. Somente no início do primeiro tempo, ele fez duas grandes defesas seguidas em chutes de Vidal e Carmona.

Além da boa atuação do goleiro, a Suíça também apelava às faltas para segurar os chilenos. Foram 26 em toda a partida, sete a mais do que cometeu o adversário. Recuada, a seleção europeia ainda tinha dificuldades para sair jogando. Com apenas 56% de aproveitamento de passes, pouco conseguia avançar ao ataque e aceitava a pressão em seu campo de defesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.