Postura de Alexandre Mattos sobre renovação irrita Valdivia e chileno desabafa

O diretor de futebol do Palmeiras, Alexandre Mattos, tinha agendada uma reunião com o pai do meia Valdivia, Luis Valdivia, na segunda-feira pela manhã, mas cancelou o encontro porque foi receber um prêmio pelo título do Campeonato Brasileiro do ano passado, conquistado quando ainda estava no Cruzeiro.

DANIEL BATISTA, Estadão Conteúdo

10 Março 2015 | 13h54

O dirigente foi um dos homenageados em evento da ABEX (Associação Brasileira dos Executivos de Futebol) realizado no teatro do Corinthians. A ideia é que nos próximos dias aconteça o encontro entre o pai do atleta e Mattos para tentarem entrar em um acordo. Valdivia tem contrato até o dia 17 de agosto e já manifestou interesse em permanecer no clube.

O Palmeiras também tem interesse em ficar com o atleta, mas adota uma postura cautelosa e não pretende ceder muito para ficar com o atleta. O pensamento é que se Valdivia ficar é um bom nome para o elenco, mas hoje o clube não se vê dependente dele como aconteceu nos últimos anos.

Nesta terça-feira, durante entrevista coletiva para celebrar a marca de 100 mil sócios do Avanti, Mattos confirmou que as negociações com o chileno estão em andamento, mas não demonstrou pressa para resolver o assunto. "O Palmeiras quer focar no time e falar do Avanti, que é a nossa grande contratação. O momento é de festejar o Avanti. O Valdivia, com tranquilidade e calma, vai ou não fazer parte do projeto. A preocupação é cuidar do time agora e dar tranquilidade ao torcedor", comentou.

Mattos ainda deixou claro que o fato de a equipe não ser mais dependente do chileno é algo que facilita para o clube no momento da negociação. "O que temos é desejo e preocupação para que o time seja competitivo e que o Valdivia faça parte disso. Ou seja, que todos formem o time, e o Valdivia é parte disso. Vamos tentar ajustar no interesse mútuo e sem essa ânsia. A preocupação é o time e a unidade", avisou.

DESABAFO DE VALDIVIA - Após a entrevista do dirigente, o chileno resolveu se manifestar nas redes sociais. Em sua página no Twitter, reclamou das declarações do diretor. "Ontem (segunda-feira) tinha reunião marcada para tratar o assunto renovação. Meu pai foi na hora dita, mas não conseguiu falar com ninguém e (a reunião) foi marcada para hoje (terça-feira)", explicou o chileno. "Até o momento, ninguém da diretoria me informou se (o contrato) seria de produtividade, quem tem que esclarecer esse assunto não é o jogador, e sim o clube", completou.

Chileno ainda criticou os acontecimentos do ano passado. "Se for produtividade, só espero que não aconteça o que vivemos ano passado, sofrendo até o final porque tinha muitos jogadores com contrato produtivo", recordou, sem deixar claro o que queria dizer. "Não é pedra no sapato o tal contrato de produtividade. Fico triste porque tudo que está saindo não foi da minha boca e sim de alguém querendo tumultuar."

Valdivia ainda assegurou que não vai deixar o Palmeiras para jogar em outro clube brasileiro. "Tenho caráter sim e cumpro o que digo. Não poderia jogar em outra equipe no Brasil, e assim será. Só uso as cores do Palmeiras aqui", assegurou. "Mesmo indo embora no final do meu contrato, serei sempre agradecido pelo que o clube representa ainda na minha carreira."

O jogador ainda lembrou de outros atletas que saíram por causa de desentendimentos com a diretoria. "Todos os jogadores que saíram nos últimos anos tiveram problemas. E eu peço para sair se for o caso, pela porta da frente. Fase final significa dores musculares e cansaço e isso vai acontecer até ficar 100% fisicamente. Não esqueçam, ''cornetas'', que no final do ano passado tomei duas infiltrações para poder jogar. Não gosto de ''boleirar'' e falar aquilo que fiz ou não, mas é bom sempre lembrar que por causa disso ainda estou sem jogar", desabafou o chileno.

Mais conteúdo sobre:
futebol Palmeiras Alexandre Mattos Valdivia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.