Robert Ghement/EFE
Robert Ghement/EFE

Prandelli acha que Brasil pode ganhar final no físico

Treinador da Itália aposta que condição física espanhola será determinante na final

PAULO FAVERO, Enviado Especial - Agência Estado

29 de junho de 2013 | 16h33

A ótima partida que a Itália fez diante da Espanha pode servir de receita para outras seleções. Pelo menos é essa a opinião do técnico Cesare Prandelli, que nas semifinais da Copa das Confederações mostrou ao mundo que é possível brecar o ímpeto da seleção espanhola com um time bem posicionado taticamente. "Cada equipe encara a Espanha de uma maneira particular e possivelmente alguns vão copiar nosso jogo também", afirma o treinador.

Ele sabe que neste domingo o Brasil tentará fazer o mesmo que a Itália, mas evita dar dicas para o time de Felipão. "Não posso dar, todos têm seu modo de encarar a partida. Pode ser um jogo fantástico, pois o Brasil é forte fisicamente e possui jogadores com uma grande qualidade individual. Mas é uma equipe que também procura o coletivo e é muito forte fisicamente. Já a Espanha tem entrosamento, pois joga junta há cinco ou seis anos. E da mesma maneira."

Prandelli lembra que sempre se tira alguma coisa quando se vê grandes jogos. Ele conta que fez isso ao ver times espanhóis ou a própria seleção em campo, e acho que a comissão técnica brasileira pode fazer o mesmo. Ciente de que sua equipe está cansada para enfrentar o Uruguai, ele também acha que isso pode ser um fator determinante a favor do Brasil. "Acho que a condição física pode ser o ponto de desequilíbrio. Se o Brasil mantiver um ritmo alto, isso pode fazer a diferença."

Como vai jogar às 13 horas, o treinador poderá acompanhar mais tarde a decisão, que será apenas às 19 horas deste domingo, no Maracanã, no Rio. O treinador da Itália, porém, não arrisca um palpite sobre quem ficará com a taça da Copa das Confederações. "Vai ser uma partida fantástica, com duas escolas distintas", finaliza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.