Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Prass afirma que dinheiro não gera impasse para ficar no Palmeiras

Perto do fim do contrato, goleiro reitera interesse de renovar e diz esperar chamado da diretoria para conversar

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

17 Novembro 2017 | 07h00

O goleiro do Palmeiras, Fernando Prass, ainda vive a indefinição sobre a renovação de contrato com o clube. O vínculo vai até o fim do ano, ainda não foi assinada a extensão e apesar desse panorama de impasse, o jogador afirmou nesta quinta-feira à noite que a solução deve ser simples, pois a continuidade dele para atuar no clube pela sexta temporada não depende de dinheiro.

+ Deyverson desabafa: 'Não estou acostumado com a pressão'

+ Tabela do Campeonato Brasileiro

"Eu já falei, minha vontade é de ficar no Palmeiras. Óbvio que sou profissional, quero ser bem remunerado. O Palmeiras hoje tem condição de pagar, investir e valorizar seus jogadores, mas quem é mais perto de mim sabe que não é dinheiro que vai fazer eu ficar no Palmeiras ou não", afirmou o goleiro no Allianz Parque depois da vitória por 5 a 1 sobre o Sport, pelo Campeonato Brasileiro.

O resultado positivo, assim como derrotas na quinta à noite de Botafogo e Flamengo, colocaram o Palmeiras na fase de grupos da Copa Libertadores. A classificação antecipada deixa o clube mais cômodo para planejar a temporada, inclusive a possível renovação com o goleiro, que se arrasta há alguns meses. Além dele, os laterais Egídio e Zé Roberto são os outros do elenco a terem o contrato válido somente até dezembro.

Prass lamentou não estar com o problema já resolvido. "Queria que estivesse definido há muito mais tempo, óbvio. Todo jogador gostaria. Mas a gente sabe que o futebol é assim. O futebol tem seu tempo. Vamos esperar o final do ano, quando o clube já tiver resolvido toda a sua situação no campeonato, eu tento resolver a minha", disse o jogador, que estreou pela equipe em 2013.

O goleiro nega que a demora em resolver a renovação seja um obstáculo para selar o acordo. "A partir do momento que o Palmeiras quiser ficar comigo e tiver realmente interesse e vontade de contar comigo não tem problema nenhum eu sentar e renovar o contrato", disse.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.