TV Estadão | 11.04.2015
TV Estadão | 11.04.2015

Prass critica suspeitas contra arbitragem após polêmica de patrocínio

Goleiro desabafa sobre possíveis benefícios por patrocinador

CIRO CAMPOS, O Estado de S. Paulo

12 de abril de 2015 | 13h57

A sofrida vitória do Palmeiras por 1 a 0 sobre o Botafogo, pelas quartas de final do Campeonato Paulista, neste domingo, motivou um desabafo do goleiro Fernando Prass após o apito final. O experiente jogador do time alviverde criticou a suspeita sobre a honestidade dos juízes. O trio de arbitragem passou a ter os patrocínios de duas empresas que também anunciam na camisa do Palmeiras.

"Falaram tanto que a arbitragem iria beneficiar o Palmeiras, agora vejam se beneficiou. Precisa ter mais responsabilidade para falar, independentemente da função", disse Prass após a partida realizada no Allianz Parque.

Até mesmo a Fifa afirmou que iria analisar o caso, que causou dúvida entre os rivais que também disputam a fase decisiva do Campeonato Paulista. A polêmica chegou também a preocupar o técnico Oswaldo de Oliveira, que temia efeito inverso. Na sua avaliação, os questionamentos poderiam fazer com que a arbitragem passasse a prejudicar o Palmeiras.

O jogo só foi decidido com um gol de Leandro Pereira, as 26 minutos do segundo tempo, depois de muita pressão e chances perdidas. Apesar de ter o domínio, o Palmeiras levou perigo nos contra-ataques e por pouco não foi surpreendido. "Jogamos bem, criamos chances e reduzimos as oportunidades deles. O placar engana, porque foi só 1 a 0, um resultado magro", disse Fernando Prass.

O Palmeiras teve mais posse de bola e demorou para sair na frente porque sofreu com a retranca do time de Ribeirão Preto. "Sabíamos que iriam jogar no contra-ataque. Eles jogaram na bola e estão de parabéns, porque chegar entre os oito não é fácil", disse o atacante Rafael Marques. Com a vitória, o elenco ganha folga nesta segunda-feira e só se reapresenta na terça.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasFernando Prass

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.