Nelson Almeida/AFP
Nelson Almeida/AFP

Prass desabafa no Palmeiras: 'Falam que estou com 40 anos e estou velho'

Goleiro comemora grande atuação e pênalti defendido na Copa Libertadores e conta que sentia saudades de ser ovacionado

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

17 Maio 2018 | 07h00

O goleiro Fernando Prass viveu uma noite muito especial no Palmeiras nesta quarta-feira, como há tempos esperava. Após defender pênalti, ter o nome gritado e se destacar na vitória por 3 a 1 sobre o Junior Barranquilla, no Allianz Parque, pela Copa Libertadores, o veterano jogador desabafou e disse que estava com saudades de ser titular e voltar a brilhar na arena, assim como precisava mostrar aos críticos que vive grande fase.

+ Borja não comemora gol por ser torcedor do Junior

+ Tabela da Copa Libertadores 2018

O técnico Roger Machado apostou em Prass na partida contra a equipe colombiana para poupar Jailson e promover um rodízio após ter testado Weverton em jogs anteriores. Prestes a completar 40 anos, o jogador afirmou que por ter sido colocado como reserva nesta temporada, precisava mostrar serviço. "Muitas vezes as pessoas fazem julgamento sem ter conhecimento, sem acompanhar meus dados físicos e meus treinos. Falam que estou com 40 anos, que estou velho. Um jogo assim é fundamental para mostrar o trabalho do meu dia a dia", afirmou o goleiro, que defendeu um pênalti no jogo.

Prass atuou somente pela quarta vez na temporada. O treinador definiu Jailson como titular em janeiro e agora vê os dois reservas Prass e Weverton no mesmo degrau da hierarquia, sem a prevalência de um segundo nome na hierarquia. Essa situação fez o goleiro pensar que nunca mais viveria emoções comu a da noite desta quarta-feira, quando passou por momentos revigorantes.

"O jogador é profissional. Somos remunerados para jogar, mas não estamos aqui só por dinheiro, mas por realizações e momentos. Quando eu estava fora, passava na minha cabeça se ia voltar a viver momentos com esse. Como jogador é sensacional. Não tem dinheiro que pague isso", afirmou Prass. Além das defesas, um lançamento dele resultou ainda no segundo gol da equipe.

Contratado pelo clube em dezembro de 2012, o goleiro afirmou que mesmo na condição de reserva, não pensou em sair ou se aposentar. "Vivi muita coisa aqui dentro, boas e ruins. Não é por estar na reserva por quatro meses que vou pensar em sair ou me aposentar. Não cheguei jogando aos 40 anos só pela genética. Eu me preparo e abri mão de muita coisa para chegar nesse nível", afirmou.

Prass citou o tenista Roger Federer com exemplo de um esportista que mesmo veterano, é capaz de atuar em alto nível. O goleiro lembrou que o suíço, em entrevista recente, afirmou que a idade se torna apenas um número, e não um limitador. O palmeirense passou instantes vibrando muito depois de defender o pênalti de Barrera e recebeu vários abraços dos companheiros.

Apesar da atuação decisiva de Prass, Roger Machado deve manter Jailson como titular. O técnico disse após o jogo que a oportunidade dada ao goleiro é um reconhecimento pela dedicação aos treinos e uma forma de mantê-lo motivado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.