Marcos de Paula/AE
Marcos de Paula/AE

Prass diz que jejum de taças pesa para torcida vascaína

Para goleiro, sete anos sem títulos e derrota na Taça Guanabara resultam em críticas aos jogadores

AE, Agencia Estado

26 de fevereiro de 2010 | 15h12

O goleiro Fernando Prass comentou, nesta sexta-feira, os protestos da torcida vascaína, que compareceu em número pequeno (593 pagantes) a São Januário, na última quinta, quando o Vasco se classificou para a segunda fase da Copa do Brasil ao empatar por 0 a 0 com o Souza-PB, depois de vitória por 2 a 1 no confronto de ida.

O jogador afirmou que a revolta da torcida com o futebol apresentado contra o Souza está diretamente ligada à derrota para o Botafogo na final da Taça Guanabara, o primeiro turno do Campeonato Carioca, e também pelo fato de o time amargar um jejum de sete anos sem títulos cariocas.

"Tem muito a ver com a derrota para o Botafogo. Nós fizemos a melhor campanha do primeiro turno e perdemos o primeiro jogo do ano, para o Botafogo, e a torcida vem num peso muito grande dos anos anteriores. O Vasco não ganha um título carioca desde 2003", ressaltou Prass, em entrevista ao SporTV, apostando na reação vascaína na Taça Rio, o segundo turno do torneio estadual.

"Ontem (quinta-feira), alguns torcedores protestaram, mas nós estamos confiantes que não será apenas um jogo que vai nos abalar", garantiu o jogador, que ainda defendeu Dodô depois de o atacante apresentar uma queda de rendimento na reta final do primeiro turno do Carioca após exibir um grande futebol no início da competição.

"Duas semanas atrás, o Dodô era a estrela do Vasco e agora, depois de três jogos sem marcar, o cara é o pior do mundo. É preciso ter um equilíbrio, mas a torcida muitas vezes não entende isso."

Tudo o que sabemos sobre:
futebolVascoFernando Prasstorcida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.