Nilton Fukuda / Estadão
Nilton Fukuda / Estadão

Pratto afirma que demissão de Ceni foi culpa dos jogadores do São Paulo

Atacante diz não estar cumprindo com as expectativas nos últimos jogos

Gonçalo Junior, Estadão Conteúdo

05 de julho de 2017 | 13h22

O atacante Lucas Pratto, principal contratação do São Paulo na temporada, afirmou que os jogadores têm responsabilidade na demissão do técnico Rogério Ceni, ocorrida na última segunda-feira. Após a derrota para o Flamengo, no Rio, o time caiu para a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, algo que não acontecia desde 2013.

"Como toda saída de treinador é responsabilidade nossa, dos jogadores. O momento não é como pensávamos quando começamos o Brasileiro, ou nos Estados Unidos. É um golpe muito forte, muito triste para nós. Mas agora temos que trabalhar, não temos tempo para pensar. Tentar corrigir para conseguir por nós e pela comissão técnica que foi demitida, uma vitória contra o Santos", lamentou o argentino em entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira no CT da Barra Funda.

Em entrevista coletiva na última terça-feira, o presidente Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco, também creditou a demissão à má fase da equipe. E isentou a diretoria de responsabilidade na crise. Leco também afirmou que quis preservar a figura do ídolo com a demissão. Pratto não quis comentar as declarações do presidente.

Sem marcar desde o duelo contra o Vitória, justamente no último triunfo do São Paulo no Brasileirão, Pratto afirmou que não vem tendo facilidade para finalizar nas últimas partidas.

"Não estou conseguindo finalizar com comodidade. A última vez creio que foi contra o Atlético-MG, depois não mais. É uma fase na qual ofensivamente não estamos cumprindo as expectativas, e as jogadas não estão saindo. Mas estamos trabalhando, o treino de hoje (quarta-feira) foi de jogadas ofensivas", disse o atacante.

Tudo o que sabemos sobre:
São Paulo FCfutebolLucas Pratto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.