Precavido, Paulista vistoria estádio

Ainda decepcionados com o resultado do julgamento do Tribunal de Justiça Desportiva (TJD), que determinou a perda de mando de três jogos e o pagamento de uma multa de R$ 100 mil, os dirigentes do Paulista estarão nesta quarta-feira em Araras. Precavidos, irão vistoriar o Estádio Hermínio Ometto e tomar todas providências para evitar novos incidentes. No domingo, o time enfrenta o Palmeiras, às 16 horas, na segunda partida das semifinais do Campeonato Paulista.A questão da segurança de jogadores e torcedores será o prato principal nos encontros com os administradores do estádio. Serão definidos a quantidade de ingresso que caberá à cada torcida, as vias de acesso ao estádio, a divisão dos torcedores e o esquema policial.O atual técnico do Palmeiras, Jair Picerni, faz parte da história do Estádio Hermínio Ometto. Em 28 de março de 1993, portanto, há 11 anos, o União São João, dono da casa, registrou um público recorde de 19.315 torcedores. Na oportunidade, derrotou o Corinthians pelo Campeonato Paulista, por 3 a 0. No comando do time do interior estava Picerni. Com novas medidas estabelecidas pela Fifa para definir o espaço para o torcedor, a capacidade do estádio, que foi fundado em 1988, diminuiu para 15.881 torcedores.O Paulista deve entrar nesta quarta-feira com recurso junto ao TJD pedindo anulação da decisão tomada na segunda-feira, que puniu o clube com a perda de mando de três jogos e o pagamento da multa de R$ 100 mil. A punição aconteceu por causa dos incidentes envolvendo torcedores na partida em que o Paulista derrotou a Ponte Preta por 4 a 3, nas quartas-de-final do Paulistão.Um dos diretores jurídicos, Célio Okumura Fernandes, disse que será muito difícil reverter a situação antes do jogo de Araras, mas que existem outros objetivos. "Esperamos que possa ser anulada a decisão de perda de outros dois mandos de jogo. Também queremos diminuir o valor da multa. Afinal, o Paulista não tem antecedentes", disse o advogado.Decepção geral - Os jogadores, que já treinam em dois períodos para a partida de domingo, às 16 horas, estão decepcionados com a perda de mando do jogo. "Queríamos estar ao lado de nossa torcida. Ela sempre nos incentivou. Infelizmente, temos que jogar fora, mas não vamos desanimar. Vamos até lá para vencer", disse o meia Canindé.Nesta terça-feira, o goleiro Márcio, que foi substituído na primeira partida por sentir cãibras, voltou ao treinamento e, como esperado, não será problema para o técnico Zetti. A delegação deve viajar para Araras - localizada há cerca de 120 quilômetros de Jundiaí - no sábado pela manhã ou no domingo algumas horas antes da partida. Os torcedores prometem organizar uma caravana para apoiar o time neste jogo decisivo das semifinais do Campeonato Paulista.

Agencia Estado,

30 de março de 2004 | 17h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.