Aizar Raldés/AFP
Aizar Raldés/AFP

Preço baixo de ingresso vira arma da Bolívia contra o Brasil

Torcida deve comparecer em peso para empurrar donos da casa contra o líder das Eliminatórias em La Paz

Ciro Campos/LA PAZ, O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2017 | 21h38

Fora a já conhecida altitude de 3,6 mil metros, a seleção brasileira terá outros obstáculos no ambiente de La Paz para a partida desta quinta-feira, 5, no estádio Hernando Siles, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018. O tempo seco se soma à expectativa de grande presença da torcida. Os valores dos ingressos não tiveram reajuste para o jogo contra o líder da competição e são vendidos a preços equivalentes de R$ 30 a R$ 180.

+ Seleção brasileira faz viagem em etapas até La Paz

O valor, por exemplo, está bem abaixo do cobrado para ver Brasil e Chile no estádio Allianz Parque, em São Paulo, na próxima terça-feira, também pelas Eliminatórias. A entrada mais barata para a partida está à venda por R$ 250. A carga de aproximadamente 40 mil ingressos está quase esgotada.

O estádio que será o local da partida contra a Bolívia tem capacidade aproximada para 28 mil torcedores. A última parcial de vendas apontou que metade dos bilhetes já havia sido comprada. A seleção boliviana não tem mais chance de classificação para a próxima Copa do Mundo e ocupa a vice-lanterna das Eliminatórias. Apenas a Venezuela faz campanha pior. Ainda assim, a equipe local quer encerrar a participação diante da torcida com uma boa apresentação.

Na hora da partida, a temperatura deve estar mais amena em comparação à média histórica de La Paz, que é de 10ºC. Na hora do pontapé inicial, às 16h locais (17h de Brasília), a previsão do tempo indica a marcação dos termômetros a cerca de 18ºC.

A altitude de 3,6 mil metros acima do nível do mar de La Paz é o principal temor dos brasileiros. A seleção não ganha na cidade desde 1997, na final da Copa América. Na capital boliviana, o clima é de expectativa para ver de perto a equipe de Neymar. Nas lojas estão à venda na vitrine camisas da seleção brasileira e do Paris Saint-Germain, o novo clube do atacante brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.