Prefeita festeja 56 anos no Pacaembu

A prefeita Marta Suplicy comemorou 56 anos no Pacaembu com bolo, festa e promessa de recuperar o estádio. O marido, senador Eduardo Suplicy (PT-SP), e os filhos Supla, André e João acompanharam a prefeita, que, precavida, não quis dizer para quem iria torcer. "Meus pais eram corintianos. Meus filhos e meu marido são santistas", desconversou. O senador Eduardo Suplicy, santista assumido, virou alvo de chacota dos corintianos, que o chamaram de "pé-frio". O filho mais velho do casal, Supla, dizia antes do jogo que o placar seria de 3 a 1. Para o Santos. A cada gol corintiano, a família, que se instalou na tribuna de honra, tinha de agüentar brincadeiras de torcedores. Eufórica e exaltando a liberação do tobogã, ocupado hoje pela torcida do Santos, Marta cortou e distribuiu pessoalmente a assessores e convidados pedaços do bolo de morango, com o formato do estádio. Também foram servidos panetone e refrigerantes. Na festa, no salão nobre, estiveram presentes os secretários de Habitação, Paulo Teixeira, Esportes, Nádia Campeão, e Comunicações, Valdemir Garreta. Marta Suplicy anunciou que a Prefeitura vai investir R$ 150 mil em obras emergenciais no estádio, como retirada de vazamentos e infiltrações. Nádia Campeão ficou surpresa com a informação. "Eu não sabia, mas se ela disse ...". Segundo a secretária, a atual administração vai reverter toda a receita gerada pelo aluguel do estádio em melhorias no Pacaembu. O custo de manutenção do estádio é de R$ 10 a R$ 15 mil mensais, informou o administrador, Olívio Pires Pitta. "Esse valor podemos cobrir. Mais que isso, não dá." Pitta negou que esteja em vigor um acordo operacional com o Corinthians e seu patrocinador, a Hicks Muse, para manutenção e benfeitorias no Pacaembu, em troca da utilização para jogos. "Esse acordo nunca existiu", afirmou. "Quando o Corinthians utiliza o estádio, manda instalar banheiros (removíveis)". Nos próximos 15 dias ele vai entregar à Secretaria de Esportes um levantamento das obras necessárias. "Vamos buscar parceiros para tornar viável a reforma."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.