Prefeito de Bergisch Gladbach quer treino aberto do Brasil

Sem conseguir render, a seleção brasileira hesita em aceitar que seus treinos sejam abertos ao público. A prefeitura da nova casa do Brasil na Copa do Mundo, na cidade de Bergisch Gladbach, negocia com a seleção brasileira para que o time de Carlos Alberto Parreira faça pelo menos um treino aberto durante os dez dias que permanecerá na região. "Queremos muito que a seleção abra seus portões para os torcedores", afirmou Klaus Orth, prefeito da cidade que fica a poucos quilômetros de Colônia. O estádio que será usado pelo Brasil tem capacidade para 10 mil pessoas e o prefeito, eleito no ano passado, quer dar acesso gratuito aos torcedores.Nesta segunda-feira, muitos tentavam subir em árvores e nas grades fora do estádio para tentar ver os jogadores brasileiros, que permanecem na região por dez dias. Segundo uma fonte na prefeitura, as recentes críticas em relação ao time de Parreira estão dificultando uma abertura dos treinos e a comissão técnica tem optado por uma maior privacidade. "Teremos uma definição sobre os treinos nos próximos dias. Tudo vai depender do sucesso do Brasil na Copa", afirmou o prefeito. Para a cidade, de 110 mil habitantes e local de nascimento da modelo Heidi Klun, a seleção brasileira seria um dos principais eventos das comemorações dos 150 anos da fundação do local. Pelas regras da Fifa, cada seleção é obrigada a fazer um treino aberto antes da Copa. No caso do Brasil, o treinamento público ocorreu em Offenbach, perto da região de Frankfurt, e atraiu uma multidão. Na preparação para o Mundial, todos os treinos do Brasil na Suíça também foram abertos e ingressos foram vendidos por até R$ 200. No campo de Bergisch Gladbach, usado do time SSG da quarta divisão do futebol alemão, poças de água foram formadas diante da forte chuva que caiu nesta segunda-feira, dificultando o uso de alguns pedaços do gramado. Mas o prefeito garante que o campo foi aprovado pela CBF antes de o contrato ter sido fechado para a estadia da seleção em Bergisch Gladbach. Além do Brasil, o time da Coréia está hospedado na região durante a primeira fase da Copa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.