Dai Kurokawa/EFE
Dai Kurokawa/EFE

Prefeito italiano nega uso do campo de futebol a equipe de refugiados

Marco Facchinotti exige pagamento dos imigrantes em Mortara

EFE

22 de setembro de 2015 | 10h21

O prefeito de Mortara (norte da Itália), Marco Facchinotti, negou o uso do campo de futebol municipal a uma equipe de refugiados que treinava de forma gratuita, por considerar injusto que "alguns joguem de graça e outros pagando".

Fontes da Prefeitura confirmaram nesta terça-feira à Agência Efe que o prefeito, do partido xenófobo Liga Norte, entende que "não é razoável" que haja clubes de amadores que pagam para treinar e os refugiados, por outro lado, façam o mesmo de graça por solidariedade de uma associação.

A equipe, que só realizou uma primeira preparação e não pôde voltar a treinar, era formada por refugiados. Só foi possível treinar no local gratuitamente graças a um entendimento com a Associação Faber, que chegou a um acordo verbal com a empresa que gerencia o campo, Mortara Calcio.

No entanto, o prefeito criticou que "a empresa não pode administrar o campo como se fosse seu", porque é uma instalação municipal. A gerente aceitou as condições da Prefeitura e informou que não permitirá que os refugiados treinem sem pagar as cotas.

Em entrevista coletiva, Facchinotti afirmou que "há pais que pagam para que seus filhos joguem e é um enorme falta de respeito com as famílias que fazem um sacrifício econômico para que seus filhos façam atividades esportivas".

O prefeito do município, de 15 mil habitantes, afirmou que "os clandestinos que vivem nas estruturas de Mortara já jogam nas ruas" e reiterou que "no campo esportivo municipal, não".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.