Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Prefeitura do Rio libera e Flamengo terá três jogos com público a partir de 15 de setembro

Duelo com o Grêmio pelas quartas de final da Copa do Brasil é uma partidas que vão contar com a presença da torcida. Confrontos vão servir como eventos-teste na capital fluminense, com ocupação de 35% a 50% do estádio

Ricardo Magatti, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2021 | 12h41

A prefeitura do Rio aceitou por ora a solicitação do Flamengo e liberou a presença de público em três jogos da equipe a partir do duelo com o Grêmio, em 15 de setembro, pelas quartas de final da Copa do Brasil. Essa partida e outras duas vão servir como eventos-teste na capital fluminense, e também permitir a ocupação de 35% a 50% da capacidade do Maracanã

A Secretaria Municipal de Saúde do Rio apresentou na segunda-feira um parecer técnico favorável à proposta do Flamengo. A decisão consta em nota técnica assinada pelo secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz. A pasta afirmou que a liberação está condicionada "ao cumprimento rigoroso do protocolo sanitário apresentado".

Além do duelo pela Copa do Brasil, os outros jogos em que será permitida a entrada dos torcedores são Flamengo x Grêmio, este pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro, no dia 19 de setembro, e Flamengo x Barcelona de Guayaquil, pela semifinal da Copa Libertadores, em 22 de setembro. O público em cada uma das partidas será de 35%, 40% e 50% da capacidade do Maracanã, respectivamente. O Flamengo estima faturar até R$ 10 milhões de bilheteria com os três jogos.

Os torcedores que quiserem assistir às partidas no estádio terão de seguir uma série de medidas sanitárias. O protocolo prevê distanciamento de um metro nos assentos, exigência do uso de máscara facial, apresentação de comprovante de vacinação e teste antígeno ou RT-PCR de covid-19 negativo, realizado nas 48 horas anteriores a cada jogo.

Para comprar o ingresso e acessar o Maracanã, o público precisará se cadastrar num sistema online e fazer upload do comprovante de vacinação. A compra do bilhete só poderá ser concluída com o resultado negativo do exame de covid-19. Apenas laboratórios credenciados pelo Flamengo poderão fazer a coleta, e o resultado será enviado para o torcedor e para os organizadores. 

Os torcedores poderão entrar no estádio com recipientes de álcool em gel 70%, (até 100 ml) e vão receber pulseiras coloridas, de acordo com os quatro setores do Maracanã em que vão se acomodar para assistir aos jogos. A Secretaria Municipal de Saúde afirmou que fará o acompanhamento dos torcedores por 15 dias, a partir dos dados informados pelo laboratório, na tentativa de conter a disseminação do vírus, caso haja registro de infectados. 

O Flamengo ficará responsável pelo planejamento e monitoramento operacional nas proximidades e entrada do estádio no dia dos jogos, bem como a comunicação aos torcedores quanto à necessidade de cumprimento dos protocolos sanitários. A liberação de torcida ocorre depois de o Flamengo enviar à prefeitura, por duas vezes, documento em que apresentava um plano para a realização dos eventos-teste. 

A prefeitura já havia permitido a presença de convidados no Maracanã neste ano na final da Copa Libertadores da temporada passada, em janeiro, e na decisão da Copa América, em julho. Nos dois casos houve aglomeração fora e dentro do estádio e descumprimento dos protocolos sanitários, o que levou a prefeitura a multar a CBF e a Conmebol. O Flamengo também já disputou partidas com torcida no estádio, mas em Brasília, no Mané Garrincha.

O Rio de Janeiro é o epicentro da variante Delta no Brasil e mais de 90% dos casos recentes da doença na cidade foram da variante detectada originalmente na Índia.

Na sede da CBF, uma reunião nesta quarta com 19 representantes da Série A, menos o Flamengo, discutiu a volta do público aos estádios.  Os clubes decidiram que o Campeonato Brasileiro seguirá sem público nas arquibancadas pelo menos até outubro. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.