Divulgação|Fifa
Troféu que será entregue ao campeão mundial Divulgação|Fifa

Troféu que será entregue ao campeão mundial Divulgação|Fifa

Premiado com frutas e mandiocas, time da Oceania abre Mundial 'globalizado' de clubes

Disputa no Catar com a presença de Liverpool e Flamengo começa nesta quarta e terá ex-meia Xavi à beira do gramado

Ciro Campos , O Estado de S.Paulo

Atualizado

Troféu que será entregue ao campeão mundial Divulgação|Fifa

Bem antes de Flamengo e Liverpool entrarem em campo para tentar confirmar o favoritismo no Mundial de Clubes, no Catar, um elenco bem mais modesto, vindo de um local simples e quase esquecido no planeta é quem terá a honra de fazer a partida de abertura do torneio nesta quarta-feira, às 14h30 (de Brasília). Sediado no paradisíaco arquipélago da Nova Caledônia, na Oceania, o Hienghene leva à competição um elenco amador para enfrentar na estreia o Al-Sadd, representante local.

O confronto entre os vencedores da Liga dos Campeões da Oceania e o atual campeão nacional do Catar é o exemplo de como este Mundial de Clubes será uma das edições mais globalizadas do torneio. Os sete participantes levam ao país da próxima Copa uma grande mistura internacional. O torneio terá entre os atletas inscritos 13 diferentes nacionalidades no Liverpool, europeus no Flamengo, espanhóis no Al-Sadd, holandês na equipe mexicana e até mesmo brasileiros no Hienghene.

O jogo de abertura definirá quem enfrenta no sábado o Monterrey, do México, campeão das Américas Central e do Norte. Depois, deste novo confronto, sairá o adversário do poderoso Liverpool na semifinal. Já o campeão da Copa Libertadores, o Flamengo, vai disputar vaga na final na próxima terça-feira com quem avançar da partida entre o campeão africano Esperance, da Tunísia, e o vencedor da Copa da Ásia, o Al-Hilal, da Arábia Saudita.

A competição será disputada em dois estádios em Doha. O palco das semifinais e da final, o Khalifa, será utilizado também na Copa do Mundo de 2022. A decisão será no dia 21 de dezembro.

Os meias Marcos Paulo e Pedro Vilela chegaram ao Hienghene no meio deste ano, trazidos como reforços de peso para o Mundial de Clubes. A dupla tem vivido experiências bem curiosas nos poucos meses vividos no arquipélago, que ainda é território da França. Os dois atuam como professores voluntários de futebol nas folgas e se divertem com os presentes recebidos pela torcida. As vitórias têm como recompensas frutas e mandioca.

"Sabemos que é uma batalha extremamente difícil, mas se não tivéssemos confiança e não acreditássemos, nunca estaríamos aqui para essa competição. A equipe venceu a Liga dos Campeões da Oceania e temos certeza que podemos surpreender, como ocorreu com outras equipes que chegaram como surpresa", disse Marcos Paulo ao Estado. Antes de reforçar o Hienghene, ele atuava no Colorado, do Paraná.

A equipe se preparou para o Mundial com a disputa de fases preliminar da Copa da França. O torneio abre vaga para times de todos os territórios franceses pelo mundo, como Taiti, Guadalupe e Martinica. O Hienghene tentou adquirir experiência para logo na estreia no Mundial fazer frente ao Al-Sadd, cujo elenco é a base da seleção do Catar e o treinador é o experiente ex-meia Xavi, ídolo do Barcelona.

"Xavi é uma referência mundial e é algo inimaginável jogar contra um time comandado por ele. Alguns dos jogadores deles jogam na seleção, são naturalizados, o que torna mais difícil ainda", afirmou o meia Pedro Vilela. O Hienghene está sediado em uma cidade de apenas 2,5 mil habitantes e venceu o torneio continental graças a um gol do meio-campo.

ESTILO BARCELONA

O ex-meia Xavi se aposentou do futebol no meio do ano como campeão nacional pelo Al-Sadd e aceitou o desafio de já assumir o comando do time logo na sequência. O primeiro grande desafio dele no cargo será disputar o Mundial de Clubes. O sonho dele é fazer a equipe jogar ao estilo do Barcelona, com muita troca de passes e longa manutenção da posse de bola.

"Eu sofro quando meu time não está com a bola. Sou o mesmo de quando era jogador: gosto da posse de bola. Foi assim que fui educado no futebol no Barcelona e na seleção espanhola. Eu trabalho isso em todos os nossos treinamentos", afirmou Xavi em entrevista ao site oficial da Fifa.

TRÊS PERGUNTAS PARA...Pedro Vilela, meia do Hienghene

Qual a sua expectativa para a estreia?

A chance par ajogar um Mundial de Clubes é para muitos pouco jogadores de alto renome nacional e mundial. Alguns jamais tiveram a chance de jogar essa competição e a maioria nunca terá. Temos certeza que podemos surpreender, como ocorreu com outras equipes que chegaram como surpresa.

O Hienghene tem quais pontos fortes principais? Dá para ser uma surpresa neste Mundial?

O vigor físico e força aqui é o destaque, além da superação de todos. Não existe bola perdida, a motivação é fantástica e temos certeza que podemos surpreender.

Como é o futebol na Nova Caledônia? 

Uma competição local, mas bem disputada, o pessoal respira futebol aqui. Todas as equipes são amadoras, um país que gosta muito de futebol, ainda mais por ser uma colônia francesa, e eles tem os times de lá como referencia. A estrutura, até pelo tamanho da ilha, é bem simples, campos modestos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Mundial de Clubes 2019: saiba mais sobre os clubes, como o Flamengo, que vão disputar o torneio

Competição será entre os dias 11 a 21 de dezembro no Catar, país-sede da Copa de 2022

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

25 de novembro de 2019 | 11h30

Depois de garantir o título da Copa Libertadores e do Campeonato Brasileiro, o foco do Flamengo agora passa a ser o Mundial de Clubes da Fifa, que ocorre no Catar, em dezembro. A rota para fechar o ano com mais um título obriga o time carioca a monitorar rivais distantes, em especial os possíveis adversários na semifinal, dia 17 de dezembro. São eles: Al-Hilal, da Arábia Saudita, e Esperánce Tunis, da Tunísia.

O Flamengo está garantido também na edição 2021 do Mundial. Daqui dois anos, na China, a Fifa vai reunir 24 clubes em um novo formato da disputa. O torneio não será mais disputado anualmente, mas a cada quatro anos. A novidade foi confirmada pela entidade nesta temporada. O time carioca será um dos seis representantes sul-americanos.

Desde a vitória sobre o River Plate, sábado, a torcida do Flamengo começou a procurar ingressos para os jogos do Mundial. Os preços variam de 25 Rialis Catariano (R$ 29) a 400 Rialis Catariano (R$ 459). A compra dos bilhetes só pode ser feita pelo site da Fifa. O Flamengo estreia na semifinal do torneio contra o vencedor do confronto entre Al-Hilal e Esperánce Tunis. O Mundial tem início no dia 11 de dezembro, na partida entre Hienghène Sport (Nova Caledônia) e Al Sadd (Catar). Quem vencer encara o Monterrey (México) na fase seguinte. Depois desse novo encontro, o ganhador enfrentará o Liverpool na semifinal.

 

Possíveis rivais do Fla na semifinal

Al-Hilal (Arábia Saudita)

Campeão asiático, o time da Arábia Saudita foi o último do técnico Jorge Jesus antes de o português se transferir para o Flamengo. O maior campeão do futebol local ganhou a Copa da Ásia no último domingo. Bateu o Urawa Reds, do Japão. O elenco conta com destaques como o francês Gomis (ex-Lyon), artilheiro do torneio continental, e o ataque italiano Giovinco (ex-Juventus).

O Flamengo guarda outra coincidência com o rival saudita. O meia colombiano Gustavo Cuéllar defende o Al-Hilal desde setembro deste ano. O elenco forma a base da seleção da Arábia Saudita e vários dos jogadores trabalharam com Jesus entre 2018 e 2019, quando o português foi o técnico do clube. Neste período, o Al-Hilal ganhou a Supercopa Saudita.

Esperánce Tunis (Tunísia)

Prestes a disputar o segundo Mundial consecutivo, o representante africano fracassou nas tentativas anteriores, ao ser eliminado logo na estreia. O maior campeão tunisiano completa cem anos em 2019 e tem uma história ligada aos brasileiros. Campeão mundial em 1962 com a seleção, o ex-atacante Amarildo dirigiu o clube na década de 1980. O treinador Cabralzinho também comandou a equipe nos anos 2000.

O elenco tunisiano tem poucos estrangeiros. A equipe conquistou vaga no Mundial de Clubes em final polêmica da Liga dos Campeões da África contra o Wydad Casablanca, do Marrocos. Após empate fora de casa no jogo de ida, o Esperánce decidia o título dentro de casa. Vencia por 1 a 0 até sofrer um gol de empate. Porém, o árbitro anulou o lance por impedimento. Os marroquinos exigiram a verificação da jogada no árbitro de vídeo, mas como a tecnologia estava com problema, a equipe se recusou a continuar a partida e deixou o gramado. Por isso, o Esperánce foi declarado campeão.

Possíveis adversários na decisão

Hienghène Sport (Nova Caledônia)

O vencedor da Liga dos Campeões da Oceania quebrou a hegemonia local dos times da Nova Zelândia. Com um elenco formado por amadores, a equipe entra no Mundial de Clubes na fase preliminar,  em que terá de enfrentar o Al Sadd. O maior orgulho do futebol da antiga colônia francesa Nova Caledônia é ter revelado o ex-meia Christian Karembeu, campeão mundial com a França em 1998 e com passagem pelo Real Madrid.

Al Sadd (Catar)

O atual campeão da Liga do Catar entra no Mundial de Clubes para representar a sede do torneio. O time forma a base da seleção nacional, que neste ano ganhou de forma inédita a Copa da Ásia. A principal estrela fica no banco de reservas. O ex-meia espanhol Xavi, ídolo do Barcelona, é o treinador do time desde maio deste ano. As estrelas do elenco são o também espanhol Gabi, meia com passagem pelo Atlético de Madri, e o meia Al Haydos, camisa 10 da seleção do Catar.

Monterrey (México)

O rico time mexicano estará pela quarta vez no Mundial de Clubes. O representante das Américas Central e do Norte tem como proprietário a Femsa, empresa multinacional de bebidas que controla parte da produção da Coca-Cola no país. O elenco tem jogadores com passagens por clubes europeus. Um dos destaques é o holandês Janssen, ex-Tottenham. Outros nomes conhecidos são o colombiano Pabón (ex-São Paulo), o lateral Layún e o goleiro Barovero (ex-River Plate).

Liverpool (Inglaterra)

O poderoso time inglês ganhou a Liga dos Campeões e é o favorito a ganhar a taça. Comandado pelo técnico alemão Jürgen Klopp, o clube jamais ganhou o Mundial. O elenco tem estrelas como o goleiro Alisson, o zagueiro holandês Virgil Van Dijk e os atacantes Mohamed Salah e Sadio Mané. O obstáculo para o Liverpool será conciliar a disputa do torneio no Catar com a Copa da Liga Inglesa. A diretoria já avisou que vai dividir o grupo, porém não revelou qual deles é prioridade.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Saiba como viajar para ver o Flamengo no Mundial de Clubes da Fifa em Doha

Comparamos os preços de passagens aéreas e pacotes e os tempos de deslocamento para is ao Catar e assistir aos jogos da semifinal e da final do campeonato que poderá consagrar o time Rubro-Negro bicampeão do mundo

Bruna Toni, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2019 | 07h00

Até onde você iria pelo seu time do coração? Quanto estaria disposto a gastar para vê-lo disputar a maior premiação que um clube pode receber nos dias de hoje? Se você for um flamenguista e suas respostas forem “até onde precisar ir” e “o que precisar pagar” saiba que isso significa percorrer, no mínimo, 11.864 quilômetros entre São Paulo e Doha, no Catar - ou 14 horas e 35 minutos em voo direto da Qatar Airlines -, desembolsando o mínimo de R$ 13.237 só com as passagens.

Quem está ligado no universo futebolístico, sabe o porquê de toda essa distância e valor: estar, de corpo e alma, na sede da semifinal e final do Mundial de Clubes da Fifa deste ano. Vencedor da Libertadores sobre o argentino River Plate, o Flamengo agora vai ao país do Oriente Médio para enfrentar, na semi, dia 17 de dezembro, ou o Al Hilal, time da Arábia Saudita campeão da Champions da Ásia, ou o Espérance, da Tunísia e campeão da Champions da África - estes dois se enfrentam no dia 14 de dezembro. Se passar pela semifinal, o Rubro-Negro vai à final no dia 21 de dezembro, que pode - e provavelmente - será contra o Liverpool, time inglês que faturou a última Champions League e disputará a outra semifinal no mesmo dia do Fla. 

Para estar presente nas duas datas dos jogos - e, com ingressos - há muitos caminhos, mas todos não custam menos do que R$ 15.000 e menos que 15 horas de viagem. Para quem é do Rio de Janeiro ou de outros Estados do Brasil, este tempo é ainda maior pela ausência de voos diretos, existentes apenas em São Paulo e em alguns dias da semana. 

QUIZ - O que você sabe sobre o Flamengo nesta temporada?

Por exemplo, para estar em Doha já no dia 17 voando direto de São Paulo, tem de ir no dia 14 (sábado), porque não há voos nos dias 15 e 16. Já para poder ver a final, o retorno deverá ocorrer apenas no dia 24. Ou seja, são necessários ter disponíveis 10 dias e dinheiro para todo este tempo, além das passagens e dos ingressos, que custam entre 25 Riales Catarinos (R$ 29) e 400 Riales Catarinos (R$ 459), a depender da categoria/lugar escolhido no estádio e da importância da partida (entenda melhor aqui) - a venda está sendo feita no site da Fifa: fifa.com/tickets.

Mais opções de voos

Flamenguistas que viajam a partir do Rio de Janeiro encontram voos com conexão para Doha na Latam, Iberia, British Airways, além da Qatar, já citada e com parada em São Paulo. E apesar de cada uma delas ter um preço (veja abaixo), os voos de todas são operados em esquema codeshare (quando uma companhia aérea transporta passageiros que compraram passagens com outra empresa). Assim, você poderá voar numa aeronave da British e/ou da Iberia comprando com a Latam, por exemplo, ou o contrário.

Partindo do Rio, o tempo de voo aumenta, no mínimo, para 19 horas, podendo chegar a 42 horas de nos casos em que a espera no lugar de conexão dura em torno de 23 horas, caso do voo da British com parada em Londres. Se quiser aproveitar para passear um dia na capital inglesa, é uma boa oportunidade. 

No site da Latam, as passagens aéreas mais em conta para o período entre 15 e 22 de dezembro custam desde R$ 14.935 com partida de São Paulo e uma parada na ida e uma na volta. Saindo do Rio, este valor sai a partir de R$ 18.372, com uma parada na ida e duas na volta.  

Pela Iberia, ocorre o contrário: as passagens são mais baratas para quem sair do Rio de Janeiro - desde R$ 20.319 - do que para quem parte de São Paulo - desde R$ 23.890. O mesmo ocorre na British: passagens a partir de R$ 19.863 saindo do Rio e a partir de R$ 23.790 saindo de São Paulo. Todos os trechos, em ambas as companhias, contam com uma conexão. 

Tudo à mão: os pacotes disponíveis

Outra forma de chegar a Doha e assistir aos jogos é adquirir pacotes mais completos, que incluam desde passagens aéreas até ingressos. A CVC colocou à disposição seis pacotes diferentes para os torcedores, cinco deles com aéreo (desde R$ 12.533 por pessoa) e um sem aéreo (desde R$ 4.822 por pessoa).

Já a Expedia tem pacotes para a semifinal e para a final a partir de R$ 15.908 por pessoa, incluindo aéreo, traslados e hospedagem em hotel cinco estrelas, mas sem ingressos. Confira, a seguir, os pacotes de ambas empresas com mais detalhes: 

CVC

Pacote 1

Saída do Rio de Janeiro

De 15/12 a 21/12

Preço: a partir de USD 5.658 por pessoa

Inclui:

- Voo internacional de chegada e saída com a Ethiopian;

- 6 diárias de hospedagem com café da manhã em hotel categoria 3*;

- Traslado de chegada e saída;

- Traslado de chegada e saída para o estádio nos dois jogos;

- Ingressos Categoria 3 na semifinal e na final;

- Todas as taxas e VAT incluídas.

 

Pacote 2

Saída do Rio de Janeiro

De 15/12 a 21/12

Preço: a partir de USD 12.508 por pessoa.

 

Inclui:

- Voo internacional de chegada e saída com a Ethiopian em classe executiva;

- 6 diárias de hospedagem com café da manhã em hotel categoria 5*;

- Traslado de chegada e saída;

- Traslado de chegada e saída para o estádio nos dois jogos;

- Ingressos Categoria 3 na semifinal e na final;

- Todas as taxas e VAT incluídas.

 

Pacote 3

Saída de São Paulo

De 11/12 a 24/12

Preço: a partir de USD 3.588 por pessoa

 

Inclui:

- Voo internacional de chegada e saída com a Royal Air Maroc;

- 13 diárias de hospedagem com café da manhã em hotel categoria 4*;

- Traslado de chegada e saída;

- Traslado de chegada e saída para o estádio nos dois jogos;

- Ingressos Categoria 3 na semifinal e na final;

- Todas as taxas e VAT incluídas.

 

Pacote 4

Saída de São Paulo

De 13/12 a 22/12

Preço: a partir de USD 2.958 por pessoa

 

Inclui:

- Voo internacional de chegada e saída com a Royal Air Maroc;

- 11 diárias de hospedagem com café da manhã em hotel categoria 3*

- Traslado de chegada e saída;

- Traslado de chegada e saída para o estádio nos dois jogos;

- Ingressos Categoria 3 na semifinal e na final;

- Todas as taxas e VAT incluídas.

 

Pacote 5

Saída do Rio de Janeiro

De 13/12 a 26/12

Preço: a partir de US$ 3.618 por pessoa em apto duplo

 

Inclui:

 - Voo internacional de chegada e saída com a Royal Air Maroc;

- 13 diárias de hospedagem com café da manhã em hotel categoria 3*

- Traslado de chegada e saída;

- Traslado de chegada e saída para o estádio nos dois jogos;

- Ingressos Categoria 3 na semifinal e na final;

- Todas as taxas e VAT incluídas.

 

Pacote 5 - Sem aéreo

De 16/12 a 22/12

Preço: a partir de US$ 1.138 por pessoa

 

Inclui:

 - 6 diárias de hospedagem com café da manhã em hotel categoria 3*

- Traslado de chegada e saída;

- Traslado de chegada e saída para o estádio nos dois jogos;

- Ingressos Categoria 3 na semifinal e na final;

- Todas as taxas e VAT incluídas.

 

EXPEDIA

 

Pacote Semifinal

Saída do Rio de Janeiro

De 14/12 a 18/12

Preço: a partir de R$ 15.908 por pessoa

 

Inclui: 

 - Hospedagem no Movenpick Hotel West Bay Doha (5*);

- Late check out de duas horas;

- Traslado para o aeroporto.

 

Pacote Final

Saída do Rio de Janeiro

De 18/12 a 22/12

Preço: a partir de R$ 15.876 por pessoa

 

Inclui: 

- Hospedagem no Movenpick Hotel West Bay Doha (5*);

- Late check out de duas horas;

- Traslado para o aeroporto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Fifa muda estádio da estreia do Liverpool e da final do Mundial de Clubes

O 'Education City Stadium' ficará pronto apenas em 2020, e jogos ocorrerão no Khalifa International Stadium

Redação, Estadão Conteúdo

07 de dezembro de 2019 | 15h43

A Fifa anunciou neste sábado que mudou o palco que receberá a final do Mundial de Clubes, que será disputado no Catar, em Doha. Como a inauguração do Education City Stadium foi adiada para 2020, o Khalifa International Stadium vai abrigar, além da final, da estreia do Flamengo e da decisão do quinto lugar, também o primeiro jogo do Liverpool na competição e o duelo pela terceira posição.

O primeiro jogo do Flamengo na competição será em 17 de dezembro, às 14h30 (horário de Brasília), mesmo dia da disputa pelo quinto lugar, mas mais cedo, às 11h30. O Liverpool debuta no torneio dia 18, às 14h30. A decisão valendo o terceiro lugar está agendada para o dia 21, às 11h30, pouco antes da final, marcada para as 14h30.

Em um comunicado em seu site, a Fifa justifica que mudança se dá pela demora no processo de certificação do Education City Stadium. O local não foi capaz de realizar os eventos-teste necessários e, assim, ficou fora do Mundial de Clubes. O estádio vai receber um jogo das quartas de final da Copa do Mundo do Catar, em 2022. "A prioridade é garantir uma experiência agradável para todos os torcedores, por isso foi decidido abrir o estádio posteriormente", diz um trecho do comunicado.

O Khalifa International Stadium tem capacidade para mais de 45 mil pessoas e foi reaberto em maio de 2017, após ser reformado para a disputa da Copa do Mundo do Catar.

Com a mudança, o local será palco de cinco das oito partidas da competição. Os outros três jogos, na primeira e segunda fases, serão disputados no Jassim Bin Hamas Stadium. A Fifa informou que os torcedores que compraram ingressos para partidas no Education City Stadium terão suas entradas automaticamente emitidas para o novo local escolhido e seus assentos serão alocados na mesma categoria de preço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.