Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Premiados pela 'paciência', antigos reservas ganham sequência no Palmeiras

Jogadores superam situação de aparecerem em segundo plano e passam a atuar com regularidade

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

11 de maio de 2019 | 04h30

O Palmeiras passou a ter nos últimos jogos nomes na escalação que até pouco tempo sequer apareciam entre os relacionados. Atletas como Raphael Veiga, Hyoran e Zé Rafael passaram a ter mais espaço nos últimos compromissos, ao serem premiados pelo técnico Luiz Felipe Scolari pelo trabalho nos treinos e pela paciência em entender que em algum momento a oportunidade chegaria.

Titular em quatro dos últimos cinco jogos do Palmeiras, o meia Zé Rafael só tinha participado de quatro partidas do time no Campeonato Paulista. O reforço trazido do Bahia tinha a presença no time pedida pela torcida, mas foi promovido pouco a pouco, enquanto demonstrava ter mais entrosamento e adaptação com o restante dos novos companheiros.

Outro colega dele de time, Raphael Veiga, percorreu caminho semelhante. O jogador retornou de empréstimo do Athletico-PR e após ser retirado da lista final dos 26 nomes que disputaram o mata-mata do Campeonato Paulista, voltou a participar do time mais ativamente. O meia entrou em campo nos três últimos compromissos e marcou um gol contra o CSA, pelo Brasileirão.

"Para o Felipão se sentir seguro para colocar no jogo, temos de demonstrar nos treinos. Para conseguir outras oportunidades, é o que rende no jogo. Antes de mais nada, tenho me dedicado nos treinos, me esforçado no limite", disse o jogador. "Conforme treinamos, ele (Felipão) se sente seguro em colocar no jogo e, se vê que está correspondendo, vai te dando oportunidades", comentou.

Embora tenha só sete jogos na temporada, o meia Hyoran entrou em campo cinco vezes só no último mês, com direito a marcar um gol na Libertadores contra o Junior Barranquilla. O jogador acabou fora da inscrição do Campeonato Paulista, no entanto foi recompensado com a oportunidade de entrar em campo pelas outras competições do calendário.

"Temos de treinar e esperar pela oportunidade. É lógico que, com sequência, a tendência é as coisas ficarem mais fáceis no jogo, por estar acostumado. Mas temos de estar preparados para jogar", explicou Raphael Veiga. "É importante ter um elenco desse tamanho. Disputamos muitos campeonatos e ninguém consegue jogar todas", completou o meia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.