Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Preocupado com ataque, São Paulo vai ao mercado em busca de opções de reforços

Clube avalia a possibilidade de trazer um novo centroavante para o segundo semestre

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

20 de maio de 2019 | 04h30

O São Paulo deixou o Morumbi neste domingo frustrado pelo empate em 0 a 0 com o Bahia, pelo Campeonato Brasileiro, irritado com a arbitragem e preocupado com as opções para o ataque. O elenco, o técnico Cuca e a diretoria tratam abertamente da necessidade de reforços para o setor, principalmente uma nova opção de centroavante para o segundo semestre.

 O tropeço dentro de casa impediu o São Paulo de continuar empatado em número de pontos com o Palmeiras. O time do Morumbi agora é o terceiro colocado e tenta solucionar os problemas mostrados na fraca atuação, como a falta de criatividade. Cuca inclusive tirou Pato do time no intervalo por opção tática e afirmou que a equipe toda não esteve bem. "O que deu para fazer hoje foi o empate, porque nossos jogadores não estavam em um grande dia", disse.

O São Paulo chegou a acertar uma bola na trave no começo do jogo com Antony. O Bahia procurou explorar os contra-ataques e deixou a partida equilibrada. Quando a equipe da casa intensificava a pressão, no segundo tempo, perdeu Toró. O atacante foi expulso após o árbitro de vídeo considerar que agrediu o goleiro Douglas durante dividida. 

A perda fez o São Paulo se segurar e ver o empate com um resultado aceitável. A equipe estava no segundo tempo sem centroavantes . Para o lateral Reinaldo, isso dificultou o time. "Faz falta um centroavante estar sempre posicionado lá dentro da área, porque nosso time joga bem pelas beiradas. É bom ter um cara na referência", afirmou.

O São Paulo contratou neste ano o atacante Pablo, mas o jogador se recupera de uma cirurgia na coluna. Pato atuou somente por 45 minutos contra o Bahia e acaba de voltar de lesão no pescoço. Já o uruguaio Gonzalo Carneiro, por sua vez, foi afastado depois de ser pego no exame antidoping pelo uso de cocaína.

O diretor executivo Raí confirmou a necessidade de se buscar um reforço. "Se pudermos enriquecer o leque de possibilidades, com um jogador mais alto, mais de área, será bom. É uma característica que a gente não tem", disse o dirigente, sem citar nomes. O clube conversou recentemente sobre o argentino Juan Dinenno, que está no Deportivo Cali, da Colômbia.

Cuca disse que também espera por novidades. "Nós devemos melhorar nossa equipe para o segundo semestre, mas ainda não é hora de falar disso", despistou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.