Ernesto Rodrigues/AE - 20/8/2010
Ernesto Rodrigues/AE - 20/8/2010

Preocupado, Marcos Assunção faz alerta e decreta fim das baladas no Palmeiras

Volante diz que pode ser perigoso encontrar torcedor mais revoltado na rua: hora de ficar em casa

Daniel Akstein Batista, estadão.com.br

13 de setembro de 2011 | 20h38

SÃO PAULO - A reação da torcida palmeirense diante dos maus resultados do time no Campeonato Brasileiro já começa a preocupar os jogadores. Após a derrota para o Internacional (3 a 0, domingo, no Pacaembu), os muros do Palestra Itália foram pichados, com críticas a Luiz Felipe Scolari, diretoria e alguns atletas também, como o atacante Luan. Segundo Marcos Assunção, ele e companheiros deveriam ficar em casa para evitar encontros na rua com torcedores revoltados com a campanha da equipe.

O volante aproveitou para cobrar os mais jovens, que gostam de aproveitar a noite paulistana. “Não é momento de diversão, mas sim de concentração total. Temos de pensar nas coisas ruins que estão acontecendo com o Palmeiras e com a gente.”

Um dos mais experientes do grupo, ao lado do goleiro Marcos, o volante de 35 anos disse que só as vitórias vão fazer o clima melhorar no Palmeiras. “Não é momento de ficar rindo à toa”, avisou. “Quando a fase é ruim, temos de ficar em casa. Se sair e encontrar a torcida, ela vai cobrar e pode acontecer igual ao que aconteceu com Vagner Love”, alertou, lembrando que o atacante foi agredido por alguns torcedores palmeirenses no fim de 2009. “Não é momento de ficar na rua, na balada. Vem pro treino e volta pra casa. Isso é até um ato de respeito ao torcedor.”

O pensamento de Marcos Assunção não foi exposto ao resto dos companheiros. Mas, segundo ele, nem deveria precisar ter alguma recomendação sobre isso. “Quando o time ganha, tudo fica bem. Mas quando perde sempre vai ter um torcedor que vai perguntar por que você está numa festa se divertindo se o momento do time é ruim. Eu penso assim e os mais jovens deveriam pensar igual.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.