Preparação fisica: a arma do São Paulo

Não é apenas no fator campo que o São Paulo aposta para derrotar o Atlético-PR e conquistar a Taça Libertadores, na quinta-feira. O excelente condicionamento físico é outro trunfo do time, que tem conseguido seus melhores resultados na competição continental durante o segundo tempo. Nos 13 jogos disputados, o São Paulo marcou 30 gols ? 12 no primeiro tempo e 18 na etapa final. ?A equipe está muito bem fisicamente e isso faz com que cresça durante o jogo?, comentou o técnico Paulo Autuori. ?É uma característica da equipe, que nos possibilita estar bem para fazer mais gols no segundo tempo.?Outros números provam que o time joga melhor na etapa final. Em quatro vezes que foi para o intervalo empatando ? duas vezes contra o Palmeiras e nas semifinais diante do River Plate ?, conseguiu fazer o resultado positivo no segundo tempo. E nos dois jogos em que terminou o primeiro tempo perdendo ? The Strongest e Atlético-PR ?, chegou ao empate nos 45 minutos restantes.?A entrega da equipe no primeiro jogo da final foi importante, é preciso estar em excelente condição física para terminar a partida da maneira como fizemos?, observou Autuori.RENDIMENTO - Porém, como gosta de dizer Autuori, os números, por si só, são frios. Para constatar que o São Paulo sobe de produção na etapa final, é preciso lembrar que o time criou muito mais chances de gols que o adversário no segundo tempo dos duelos da primeira fase ? especialmente diante do Universidad de Chile e The Strongest, ambos no Morumbi.O fato de repetiu nos confrontos diante do Palmeiras e, de forma mais visível, contra o Tigres. No jogo de ida, o São Paulo venceu por 4 a0 mas poderia ter feitos outros quatro. E mesno no México, quando sofreu a única derrota da campanha ? 2 a 1 ?, desperdiçou pelo menos três ótimas oportunidades para empatar ou virar o resultado.Diante do Atlético-PR, a equipe também se acertou na etapa final. Depois de estar perdendo por 1 a 0, se organizou melhor taticamente, chegou à igualdade e ainda teve a chance de virar o placar. Nos minutos finais, Josué perdeu gol feito, frente à frente com Diego. ?Tentei caprichar no chute, mas perdi?, lamentou o volante. ?Se fosse o Amoroso ou o Luzão, no meu lugar, teríamos feito o gol.?Por isso, Autuori receita: para bater o Atlético-PR, não quer apenas correria no segundo tempo. ?Em primeiro lugar vem o talento, a qualidade técnica?, aponta. ?Ser competitivo não é apenas lutar, mas aliar o empenho e a seriedade com a habilidade.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.