Bruno Haddad/Cruzeiro
Bruno Haddad/Cruzeiro

Preparador físico adota cartilha e usa ações motivacionais no Cruzeiro

Eduardo Silva, o Dudu, tem menos de duas semanas para colocar o elenco em condições de fazer uma boa estreia no Campeonato Mineiro

Redação, Estadão Conteúdo

06 Janeiro 2019 | 15h21

O Cruzeiro completou quatro dias de preparação para a temporada 2019. Neste período, a função que ganha grande destaque é a do preparador físico. No caso do time mineiro, a responsabilidade é de Eduardo Silva. Dudu, como é conhecido no clube, tem menos de duas semanas para colocar o elenco em condições de fazer uma boa estreia no Campeonato Mineiro, diante do Guarani, dia 19, no estádio Waldemar Teixeira de Faria, em Divinópolis.

Em entrevista neste domingo, Dudu revelou que uma cartilha foi entregue aos jogadores que para ser seguida nas férias. "A gente passou uma programação para os atletas. Pedimos que na primeira semana eles tivessem uma folga, depois a gente dividiu em três etapas. Óbvio que por alguns motivos 100% dessa programação não é cumprida, e a gente percebe que os atletas têm que curtir realmente as férias, mas ao mesmo tempo a gente entende que não pode zerar, porque temos pouco tempo de preparação, pensando no primeiro jogo agora contra o Guarani. Caso contrario, se esses atletas não fazem o mínimo, eles entram em uma zona de sofrimento que poderia ser minimizada", revelou.

Além da parte física, Dudu também explica que precisa lidar com o aspecto psicológico dos atletas. "Temos a clara consciência de que precisamos estar ganhando mais no futebol do que empatando ou perdendo, porque senão não estaríamos trabalhando aqui. Não temos emprego publico ou que nos dê a garantia de trabalhar 20 anos aqui no Cruzeiro."

Até por isso, o preparador físico busca motivar os jogadores neste início de temporada. "Tem situações que não existe a mesma motivação, disputar uma final de Copa do Brasil é diferente de disputar uma partida que não tem o mesmo peso. Não significa uma falta de interesse ou desrespeito para com o adversário, mas a gente sabe que tem peso diferente. A gente tenta mostrar que aquela partida de 90 minutos significa muito. Três pontos para o Cruzeiro são muito importantes, pois nós temos que ganhar sempre a próxima partida."

A disputa interna pela titularidade também é importante para que os jogadores fiquem mais atentos aos trabalhos. "Não dá para falar que a partida contra o Guarani não interessa e o clássico interessa. Quem disse isso? O Cruzeiro tem que ganhar sempre. Então de uma forma geral a gente tenta sempre lembrar o atleta que ele precisa competir contra o adversário e cooperar com os seus companheiros. E lembrando o seguinte: se eu der espaço, você vai ocupar o meu lugar."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.