Robson Fernandjes/Estadão
Robson Fernandjes/Estadão

Presença de Valdivia é fundamental para o Palmeiras, diz coach

Profissional contratado para ajudar time a reagir na tabela destaca que chileno é um dos pilares do seu trabalho por ser líder do elenco

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

30 de setembro de 2014 | 07h00

Mesmo abatido por outra derrota no Brasileirão, o Palmeiras ganhou um alento para lutar contra mais um rebaixamento. Valdivia foi julgado no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e, em vez dos temidos 12 jogos de suspensão, o atleta foi punido com duas partidas por ter pisado em um jogador do Flamengo – uma ele já cumpriu. 

A presença do meia para a reta final agrega ao time na parte técnica e na psicológica, pois o chileno é parte importante do trabalho do coach esportivo Lulinha Tavares, contratado pelo clube para ajudar na reação. Com Valdivia em campo, o Palmeiras tem aproveitamento de 41% dos pontos. Sem ele, o índice cai para 29%. As exibições de talento do chileno, porém, costumam se confundir com as ações de destempero, como a ocorrida diante do Flamengo, julgada nesta segunda-feira, no Rio, e cuja pena deixou o jogador aliviado.

"Falaram em pena entre quatro e 12 jogos de suspensão. Mas terminei com dois jogos e arquivado em ato hostil. O saldo, então, não foi tão negativo assim", disse o meia.



Valdivia foi a julgamento por ter pisado em Amaral, lance que lhe causou a expulsão no jogo. O palmeirense foi denunciado por agressão, artigo em que a pena prevista varia de quatro a 12 partidas. Porém, o relator do processo, Douglas Blaichmann, alterou o caso para ato hostil, cuja suspensão pode ser de até três partidas.

Como já ficou fora de uma rodada, o chileno deve ser ausência somente do jogo de quinta-feira, contra a Chapecoense, no Pacaembu. Apesar disso, o Palmeiras estuda recorrer da sentença. "Um pisão teria gerado piores resultados. O que o Valdivia fez ali não matava uma formiga", afirmou o advogado do clube, André Sica.

Livre dos tribunais, Valdivia retorna a São Paulo para participar dos encontros do elenco com o coach esportivo contratado pelo clube para ajudar na reação. "O Valdivia exerce uma liderança e é muito importante para o grupo", disse Lulinha Tavares, ex-jogador e pós-graduado em Psicologia do Esporte. 

Tavares se encontra nesta semana com o time para uma nova sessão de terapia. Nela, o objetivo é estabelecer metas atingíveis em curto prazo para ajudar no resgate da autoestima. "Pensamos no futuro para olhar para frente e esquecer os problemas. Procuro dar o suporte. O coaching não dá a vitória, mas, sim, ajuda o atleta a ter consciência", explicou Tavares, que pede para não ser chamado de "motivador".

O trabalho dele com o Palmeiras começou na última semana e foi elogiado pelo grupo. No primeiro encontro, o coach exibiu um vídeo e organizou uma gincana para conhecer os atletas. "O Palmeiras não pode se abalar por eventuais derrotas e entender que não é o momento para evidenciar características negativas." Tavares já fez trabalho semelhante em 20 clubes e tem entre seus clientes atuais o atacante Aloísio, ex-São Paulo, e o goleiro Paulo Victor, do Flamengo. 

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasValdiviaBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.