Presidente admite demitir Oswaldo

Cenas inéditas no Morumbi após a derrota deste domingo do São Paulo diante do Cruzeiro por 4 a 2. Torcedores do clube paulista e até alguns aplaudiram e imploraram para Vanderlei Luxemburgo assumir o cargo em lugar de Oswaldo Oliveira. E aproveitavam para xingar Jean, Gabriel e o atual treinador do São Paulo que saía protegido por seguranças. "Se num momento eu achar que estou atrapalhando, posso até reverter a minha posição de continuar trabalhando no São Paulo. Hoje depois dessa derrota contra o Cruzeiro não penso isso. Mas amanhã, eu não sei", dizia Oswaldo que, pela primeira vez, mostrava estar abalado pela pressão para que deixe o clube. O seu maior apoio já fraqueja. O presidente Marcelo Portugal Govea foi bem claro após o fracasso diante dos mineiros. "A situação do Oswaldo é delicada, complicada. Há grande parte dos conselheiros que já pedem a sua demissão. Mas eu não ajo sob pressão." A perseguição a Oswaldo já contaminou dois jogadores da equipe. Jean e Gabriel. Assim como o treinador, ambos foram vaiados do início ao final da derrota contra o Cruzeiro. "Eu queria não ouvir, mas os torcedores ficam gritando um monte de besteira e acabam atrapalhando o time. É péssimo, mas o que eu vou fazer? Eu sei que não sou culpado pela fase ruim em que estamos", diz o zagueiro, tentando se defender. Oswaldo já antecipou que vai procurar o jogador e se sentir que ele está mesmo abalado irá afastá-lo do time. "Todo mundo infelizmente me compara ao meu pai. Tenho o meu futebol e ele o dele. Por mais que esteja tudo ruim, não vou abaixar a cabeça como muitos querem", resumia Gabriel que é filho do ex-lateral-esquerdo corintiano Wladimir.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.