Hamad I Mohammed / Reuters
Hamad I Mohammed / Reuters

Presidente chinês exalta 'cooperação China-Fifa' em encontro com Infantino

De acordo com especialistas, reunião pode ser um indicativo do apoio da entidade em candidatura para a Copa

O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2017 | 14h06

Em um encontro entre o presidente chinês, Xi Jinping, e o presidente da Fifa, Gianni Infantino, o líder asiático exaltou a "cooperação China-Fifa" e agradeceu o apoio da entidade ao futebol local. A reunião foi em Pequim. Na avaliação de especialistas, o aperto de mãos poderia ser um indicativo do apoio da Fifa a uma eventual candidatura chinesa para sediar a Copa do Mundo de 2030 ou 2034.

"Estamos cientes de que a Fifa está prestando mais atenção ao desenvolvimento do futebol na China recentemente. E eu acredito que a cooperação China-Fifa tem um bom futuro. Obrigado!", disse Jinping, durante encontro com Infantino no Grande Salão do Povo, sede do legislativo chinês, em Pequim.

Infantino tentou se esquivar das declarações do líder chinês ao afirmar que a Fifa está apoiando todos os países e não somente o esporte na China. "Vamos ajudar a surgir uma nova era do futebol, não apenas na China, mas em todo o mundo, porque somos muito apaixonados pelo futebol", declarou.

Apesar da declaração, a visita de Infantino levantou especulações sobre o eventual apoio da Fifa para a China sediar uma Copa do Mundo no futuro. O presidente chinês teria ambições de fortalecer o futebol no país não somente para sediar o Mundial como também para vencê-lo, até a Copa de 2050.

O presente, contudo, não é nada animador para a seleção chinesa. Após empatar por 2 a 2 com a Síria na terça, o time ficou com chances remotas de se classificar à Copa de 2018, na Rússia. Até hoje a China tem apenas uma participação na história dos Mundiais, competindo no evento de 2002, no Japão e na Coreia do Sul.

Tudo o que sabemos sobre:
Futebol internacionalfutebolFifa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.