Presidente da AFA questiona comissão por ausência de Lux

Julio Grondona não é o que se pode chamar de pessoa ?politicamente correta?. Três dias depois de o técnico José Pekerman ter anunciado a lista de 23 jogadores convocados para defender a Argentina na Copa do Mundo da Alemanha, o presidente da Associação de Futebol Argentino, a AFA, colocou a comissão técnica numa tremenda saia-justa ao declarar publicamente que não gostou nada da ausência do goleiro Lux na relação. ?Lux foi campeão olímpico sem sofrer gol e também foi campeão sul-americano sub-20. Não vejo outro jogador com mais méritos do que ele para ir ao Mundial?, disse Grondona, que não se esquivou de dizer que Lux deveria ter ficado com a vaga de Leonardo Franco, do Atlético de Madrid - o que não deve ser muito agradável de ouvir, para alguém que está treinando com o grupo que vai para a Alemanha. ?Na minha opinião deveriam ir os três goleiros que jogam na Argentina?, afirmou. Os outros dois convocados são Abbondanzieri (Boca Juniors) e Ustari (Independiente). O dirigente cobra explicação da comissão técnica sobre o critério que foi usado para definir os goleiros. ?O senhor Tocalli (Hugo, auxiliar de Pekerman) e o senhor Fillol (Ubaldo, campeão do mundo em 1978 e treinador de goleiros) são especialistas no assunto e por isso deveriam explicar por que o senhor Lux não irá.? A ausência de Lux provoca um desconforto político para o presidente da AFA, porque é a primeira vez na história das Copas que a seleção argentina não tem pelo menos um jogador do River Plate. O goleiro ficou arrasado quando viu que não estava na lista. Numa entrevista emocionada, em que chorou muito, ele falou de sua dor: ?Estou chorando há quatro meses, desde que meu irmão morreu (suicidou-se). E agora tive outra grande decepção.? A seleção argentina já está treinando em Buenos Aires. Viajará no dia 25 para a Europa. Antes de seguir para a Alemanha, ainda fará um amistoso em Salerno (Itália), contra Angola.

Agencia Estado,

18 Maio 2006 | 19h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.