Divulgação
Divulgação

Presidente da CBF avisa Infantino para 'preparar o troféu' da Copa

Coronel Nunes mostra confiança com o hexa

Jamil Chade enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

11 Junho 2018 | 06h02

"Prepare o troféu". A frase foi lançada pelo presidente da CBF, Antonio Carlos Nunes, ao presidente da Fifa, Gianni Infantino. Nesta segunda-feira, o Brasil e os demais países da América do Sul deram seu apoio à reeleição do suíço para mais um mandato no comando da Fifa.

+ Com crise diplomática no Catar, Fifa deve adiar plano de ter Copa com 48 seleções

+ Cartolas da Fifa fecham 'acordo de paz' durante Copa na Rússia

Mas, numa reunião em Moscou, o assunto também foi a seleção brasileira. Nunes, que assumiu a CBF depois da queda de Marco Polo Del Nero, conta que insistiu com Infantino no favoritismo do Brasil. "Eu disse a ele: prepare o troféu", afirmou. "Eu e ele vamos estar lá para entregar a taça", insistiu, numa referência à cerimônia que a Fifa realiza depois da final para a entrega da copa mais cobiçada do mundo.

Nunes conta que Infantino ainda o questionou sobre as condições de Neymar. "Eu disse que ele estava muito bem", respondeu, citando a atuação contra a Áustria no amistoso de domingo. "Os austríacos pensavam que, depois de vencer a Alemanha, também ganhariam do Brasil", disse. Nunes viaja no final do dia para Sochi, onde fará uma foto oficial com a seleção brasileira.

 

Enquanto o coronel está em Moscou, o presidente eleito da CBF, Rogério Caboclo, lidera a delegação brasileira em Sochi e, nos próximos dias, estará em Moscou para ser apresentado à "família Fifa" como o futuro do futebol brasileiro.

Caboclo assume apenas no ano que vem, depois de uma eleição que foi realizada com apenas um candidato e depois que ficou claro que Marco Polo Del Nero seria banido do futebol por suspeitas de corrupção.

 

Já assumindo uma postura praticamente de "rainha da Inglaterra", o coronel tem o compromisso de não mudar os planos da instituição. Mas, em assuntos e eventos que lhe podem dar visibilidade política e prestígio, ele tem assumido de fato a função de presidente, inclusive surpreendendo alguns internamente.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.