Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Presidente da Chapecoense, Sandro Pallaoro é enterrado em Chapecó

Amigos, familiares e torcedores do clube se reuniram para prestar as últimas homenagens

Daniel Batista e Gilberto Amendola, Estadão Conteúdo

04 Dezembro 2016 | 11h54

O enterro do presidente da Chapecoense, Sandro Pallaoro, aconteceu nesse domingo no cemitério Jardim do Éden, em Chapecó, por volta das 10h15. Amigos, familiares e torcedores do clube se reuniram para prestar as últimas homenagens ao dirigente, uma das vítimas do acidente aéreo da Chapecoense.

Antes que o caixão chegasse à Rua 77, lote 90, um grupo de torcedores do time catarinense começou a cantar uma música sobre amor ao clube. "Viemos nos despedir do nosso presidente. Uma pessoa muito justa", disse o torcedor Ailton Martins.

O prefeito de Chapecó , Luciano Buligon (PSD) compareceu ao enterro e afirmou que vai dar todo o apoio que o clube precisar para a criação de um memorial permanente na Arena Condá ou fora dele. "Compartilhar a dor é uma forma de amenizá-la", disse. Buligon também contou que está com alguns pertences pessoais dos jogadores que estavam no voo - e que podem fazer parte de um futuro memorial.

A cerimônia contou com o discurso de um amigo. Jacson Murilo Walderneli, 50 anos, falou sobre a importância de considerar os adversários no futebol com mais amor e respeito. Um coral de jovens cantou uma bonita versão de Aleluia, de Leonard Cohen.

Familiares e amigos rezaram o Pai Nosso e a Ave Maria de mãos dadas. O enterro terminou antes das 11h.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.