Presidente da Ferj é reeleito, mas não deve ficar no cargo

À revelia da Justiça, clubes e ligas do futebol carioca promoveram nesta segunda-feira uma tumultuada eleição comandada pelo presidente do Vasco, Eurico Miranda, para saber quem ficaria no comando da Federação de Futebol do Rio (Ferj) até 31 de dezembro. Rubens Lopes foi aclamado o vencedor do pleito. Mas como foi afastado da entidade em 6 de fevereiro por decisão da juíza da 7ª Vara Empresarial, Márcia Cunha, o resultado não deve ter validade.De acordo com a juíza, Lopes não poderia concorrer. Três clubes se recusaram a votar: América, Flamengo e Botafogo. Apesar de ter dirigido a assembléia, com a presença de seguranças particulares, Eurico Miranda reconheceu que a votação não deve prevalecer. ?Há 99% de probabilidade de a eleição ser impugnada.?O mandatário vascaíno entrou na sede da federação aos gritos e discutiu com um delegado da Polícia Civil, que estava no local para impedir a realização da eleição. ?Eu sou o dono da federação. Eu sou o dono, dono, um dos donosda federação. Meu clube é fundador. Vamos fazer sim?, disse Eurico. Depois, de posse do microfone, anunciou o nome de Rubens Lopes e pediu o voto por aclamação dos presentes.O interventor da federação, Hekel Raposo, nomeado em 6 de fevereiro com a tarefa de marcar uma data para a eleição, deixou a federação e foi relatar os incidentes à juíza Márcia Cunha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.