Presidente da Fifa confirma Copa de 2014 com 12 cidades

'Esse País não é um país, é um subcontinente, cinco vezes campeão do mundo', afirma Joseph Blatter

Eduardo Simões, Reuters

28 de janeiro de 2009 | 17h11

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, anunciou nesta quarta-feira que a Copa do Mundo de 2014 no Brasil terá 12 cidades-sede, entre as 17 pré-candidatas. Veja também: TV Estadão: A visita de Joseph Blatter ao Brasil  Serra reforça que abertura da Copa deve ser em São Paulo Em São Paulo, onde se reuniu com o governador José Serra e outras personalidades, incluindo Pelé, Blatter anunciou que o Mundial no Brasil terá o mesmo número de sedes que a Copa da Alemanha, em 2006, o que representa um aumento de três cidades em relação à Copa de 2010, na África do Sul. "Esse país não é um país, é um subcontinente, cinco vezes campeão do mundo, e vamos dividir a Copa em 12 cidades diferentes", disse Blatter a jornalistas após almoço com Serra. Inicialmente, a Fifa desejava que a Copa no Brasil tivesse 10 cidades-sede, apenas uma a mais que a África do Sul, mas a vontade dos organizadores brasileiros era de levar o Mundial ao maior número possível de cidades. Uma comitiva da Fifa inicia nesta semana inspeções nas 17 cidades candidatas. Até o dia 7 de fevereiro Porto Alegre, Florianópolis, Curitiba, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Goiânia, Campo Grande, Cuiabá, Rio Branco, Manaus, Belém, Salvador, Recife, Natal, Fortaleza e São Paulo receberão visita de autoridades da entidade que comanda o futebol mundial. O governador Serra aproveitou o encontro com Blatter para reforçar sua campanha para que a capital paulista receba a partida de abertura do Mundial. Segundo ele, a final deveria ser no Maracanã. "Estou praticamente certo que isso vai acontecer. Da mesma maneira que o encerramento no Rio de Janeiro, que é uma proposta que eu mesmo fiz", disse Serra a repórteres. "Eu propus que a final seja no Rio de Janeiro, porque acho que temos uma conta a acertar e tem que ser no Maracanã", disse o governador, numa referência à derrota no Brasil na final do único Mundial que disputou em casa, diante do Uruguai, em pleno Maracanã lotado. Serra evitou falar no montante de investimentos que será necessário para que São Paulo receba jogos da Copa. Ele limitou-se a dizer que "os investimentos do governo estão andando, inclusive os do metrô". Um estudo sobre mobilidade urbana para a Copa, apresentado no ano passado pelo Ministério do Turismo, apontou que seriam necessários 15,3 bilhões de reais de investimentos no metrô e em corredores de ônibus para que a capital paulista receba a Copa do Mundo. Também participaram do encontro com Blatter o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, e o governador do Amazonas, Eduardo Braga, cuja presença pode ser vista como indicativo de que Manaus, capital do Amazonas, deve ser a representante da região Norte como uma das sedes do Mundial, deixando para trás as também candidatas Belém e Rio Branco. (Edição de Pedro Fonseca)

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2014Fifa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.