MIguel Medida/AFP
MIguel Medida/AFP

Presidente da Fifa elogia proposta da Conmebol de ter 48 seleções na Copa de 2022

Gianni Infantino achou a solicitação 'muito interessante' e disse que vai estudar o caso

Estadão Conteúdo

12 de abril de 2018 | 14h30

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, disse em entrevista nesta quinta-feira que achou a solicitação da Conmebol "muito interessante" e estudará o caso. A entidade sul-americana enviou uma petição à Fifa pedindo que a Copa do Mundo do Catar de 2022 tenha 48 seleções, em vez de apenas 32.

+ Por valor inédito de R$ 85 bi, Fifa avalia vender futebol a investidores

Confira a página especial da Copa do Mundo de 2018

O aumento de equipes na disputa do Mundial está previsto apenas para o Mundial de 2026, que ainda não tem sede definida. "Temos essa petição da Conmebol e de suas associações e me parece muito interessante. Vamos estudar muito a sério. E se for possível... Por que não?", afirmou.

A petição foi entregue nesta quinta-feira a Infantino durante o Congresso Ordinário da Conmebol, em Buenos Aires. O atual mandatário da Fifa também aproveitou a entrevista coletiva para falar sobre outros assuntos relacionados à inovação da entidade.

Como por exemplo a implementação do VAR, o sistema de vídeos que auxiliará a arbitragem em lances polêmicos. O uso do VAR foi confirmado para a Copa do Mundo da Rússia, mas ainda não é visto com bons olhos pela Uefa.

"Sou presidente da Fifa e não vou aconselhar nada para a Uefa. Eles é que precisam decidir se querem usar ou não em suas competições. Vamos aplicar no Mundial porque fizemos um estudo e comprovamos que o VAR ajuda os árbitros", prosseguiu.

Ao ser questionado sobre a possível candidatura em conjunto de Argentina, Uruguai e Paraguai para a Copa do Mundo de 2030, disse: "São três países importantes para o futebol e capazes de colocar sobre a mesa uma candidatura muito sólida e forte. Quero adiantar que é uma vantagem fazer a candidatura em conjunto porque será um Mundial com 48 equipes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.