Presidente da Fifa ridiculariza Cristiano Ronaldo e pede desculpas em seguida

Joseph Blatter pede que a Bola de Ouro seja dada para Lionel Messi

Jamil Chade - Correspondente, O Estado de S. Paulo

29 de outubro de 2013 | 17h01

GENEBRA - O presidente da Fifa, Joseph Blatter, ridiculariza Cristiano Ronaldo, pede que a Bola de Ouro seja dada para Messi e abre uma crise entre o jogador português, o Real Madrid, a Federação Portuguesa e a Fifa. Num debate com estudantes da universidade de Oxford na última sexta-feira, Blatter ironizou os custos com cabeleireiro que Cristiano Ronaldo teria e, gesticulando como um militar, apontou que ele seria "como um comandante em campo".

"Leo é um bom moço", disse, sobre Messi. "Cada pai do mundo gostaria de tê-lo em casa. É um bom homem, é muito rápido", disse. "Joga muito bem, como se estivesse dançando", declarou. "O outro (Cristiano) é como um comandante em campo", disse, imitando militares em um desfile. "Um gasta mais que o outro no cabeleireiro, mas não posso dizer quem é o melhor", disse. "Mas devo dizer. Gosto dos dois. Mas prefiro Messi".

Horas depois, o português respondia a Blatter em sua página no Facebook, insinuando um favorecimento da Fifa a outras equipes . "Esse vídeo mostra claramente o respeito e consideração que a Fifa tem por mim, pelo meu clube e pelo meu país", escreveu. "Muitas coisas se entendem agora. Desejo ao sr. Blatter saúde e uma vida longa, com a certeza de continuará sendo testemunha, como merece, dos êxitos de seus times e jogadores preferidos".

Tanto o Real Madrid quanto a Federação Portuguesa protestaram oficialmente, chamando Blatter de "desrespeitoso". O clube ainda considerou os comentários como "inaceitáveis" e que estariam "condicionando os votos" na eleição do melhor jogador do mundo. Nesta terça mesmo o cartola escreveu uma carta para Cristiano Ronaldo, via seu clube, pedindo desculpas. "Ele é um jogador excepcional", declarou. "Peço que minhas desculpas sejam transmitidas ao jogador", insistiu. Mas não deixou de atacar a imprensa. "Lamento sinceramente que minhas palavras, tiradas do contexto, tenham sido mal-interpretadas".

Na tarde desta terça-feira, o presidente da Fifa aproveitou o espaço das redes sociais, no caso, o Twitter, para pedir desculpas a Cristiano Ronaldo. "Querido Cristiano. Peço desculpas se você ficou chateado com minha resposta leviana num evento privado na sexta-feira. Nunca tive a intenção de ofendê-lo. Sou sócio honorário do Real Madrid e expliquei que temos muitos jogadores talentosos no futebol mundial, incluindo você. Tudo de bom".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.