Fabrice Coffrini/AFP
Fabrice Coffrini/AFP

Presidente da Uefa estuda manter jogo único na Liga dos Campeões

Aleksander Ceferin acredita que os confrontos ficaram mais emocionantes com o fato dos times não terem uma segunda chance de se recuperarem

AFP, O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2020 | 07h27

O presidente da Uefa, Aleksander Ceferin, afirmou que o formato de mata-mata com jogo único, usado na Liga dos Campeões este ano a partir das quartas de final, proporcionou um futebol mais emocionante do que as partidas usuais de ida e volta e pode ser repetido no futuro. 

O formato foi alterado para permitir que a competição fosse concluída em um período de tempo mais curto depois que a pandemia de Covid-19 paralisou o futebol por vários meses na Europa em março. 

Oito clubes rumaram para Lisboa e a final será disputada neste domingo, entre Bayern de Munique e Paris Saint-Germain. “Fomos forçados a fazer isso, mas no final das contas descobrimos algo novo. Portanto, vamos pensar sobre isso no futuro com certeza”, disse Ceferin em entrevista à Reuters. 

O presidente da Uefa afirmou que, sem um jogo de volta, as equipes foram obrigadas a buscar os gols. “Não tem ocorrido tantas táticas. Se é uma partida, se uma equipe marca, a outra precisar marcar o mais rápido possível. Se é um sistema de ida e volta, ainda há tempo para vencer a próxima partida”, declarou ele. 

“Partidas mais emocionantes com certeza, mas é claro que também temos que pensar no fato de que temos menos partidas e as emissoras (podem) dizer ‘você não tem tantas partidas quanto antes, isso é diferente’, então teremos que discutir quando essa situação maluca acabar.” 

O torneio com oito clubes aconteceu sem torcedores nos estádios, e a perspectiva de torcedores de oito times invadindo uma cidade pode causar problemas de segurança, entre outras questões logísticas. O formato atual está travado contratualmente até 2024/2025, mas as discussões devem começar ainda este ano sobre a estrutura da competição para a próxima fase. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.