Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Presidente da Uefa quer taxas e limite nos elencos para equilibrar futebol local

Aleksander Ceferin defende algumas mudanças no futebol europeu

Estadão Conteúdo

22 de março de 2017 | 18h18

O presidente da Uefa, Aleksander Ceferin, se mostrou preocupado com a falta de equilíbrio entre os clubes nos principais torneios do continente. Nesta quarta-feira, ele falou sobre o assunto e defendeu a implementação de novas regras para tentar diminuir a desigualdade entre as equipes nas competições locais.

Ceferin se mostrou favorável à criação de novas regras para tentar limitar os gastos dos principais clubes do continente. Ele defendeu que haja uma "taxa de luxo", a "luxury tax" comum em diversos esportes norte-americanos, em que as equipes seriam obrigadas a pagar multa por cada centavo gasto além de um teto salarial predeterminado pela Uefa.

Outro ponto estudado por Ceferin é a limitação do número de jogadores no elenco de um clube. Desta forma, segundo ele, as potências do continente teriam que abrir mão de diversos jogadores que poderiam servir como bons reforços para times com menor poder financeiro.

"A Uefa precisa examinar novos mecanismos. Talvez taxas de luxo, limitações no elenco e regras de transferências mais justas para impedir que sejam feitas reservas de jogadores e concentração excessiva de talento em apenas alguns times", comentou Ceferin em uma conferência realizada na cidade de Lisboa.

Esta é uma preocupação antiga da Uefa, desde quando era presidida pelo francês Michel Platini, que foi o responsável por implementar o "Fair Play Financeiro" na Europa, em que um clube precisa comprovar que o dinheiro gasto por ele está vindo dos lucros que obtém. Para Ceferin, esta medida não equilibrou o futebol no continente, pelo contrário, "diminuiu o balanço competitivo".

Tudo o que sabemos sobre:
Futebol InternacionalfutebolUefa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.