Juan Medina/Reuters
Juan Medina/Reuters

Presidente diz que Barcelona deixou de ganhar 200 milhões de euros na pandemia

Josep Maria Bartomeu lembrou que o clube teve de reembolsar parte do valor dos ingressos comprados pelos torcedores

Redação, Estadão Conteúdo

26 de julho de 2020 | 12h56

O presidente do Barcelona, Josep Maria Bartomeu, analisou os efeitos da pandemia do novo coronavírus no clube catalão, que, segundo o dirigente, deixou de arrecadar aproximadamente 200 milhões de euros (cerca de R$ 1,2 bilhões) com a crise sanitária que paralisou os campeonatos por meses.

Bartomeu avalia que o Barcelona é um dos clubes mais impactados financeiramente na Europa em virtude da pandemia. "Desde 14 de março quase não recebemos nada. Deixamos de ganhar cerca de 200 milhões de euros", revelou Bartomeu, em entrevista ao jornal espanhol Mundo Deportivo.

Entre as perdas financeiras, o dirigente lembrou que o clube teve de reembolsar parte do valor dos ingressos comprados pelos torcedores, correspondente às partidas disputadas sem público.

"Tivemos que fechar as lojas e o museu, não houve venda de ingressos. Retornamos a parte do crédito das partidas que não foram disputadas. 200 milhões é muita coisa", reforçou.

O Barcelona reagiu à crise provocada pelo novo coronavírus com a redução de 70% dos salários dos jogadores em negociação liderada por Lionel Messi. Antes da pandemia, o clube catalão esperava faturar 1,1 milhões de euros no fim desta temporada. Agora, porém, espera "30% menos", segundo Bartomeu.

"Digo isso porque se alguém pensa que a pandemia não afeta o Barça, está errado. Afeta os grandes clubes europeus e o Barça é o clube europeu que ganha mais dinheiro e é o mais afetado. Isso torna esse mercado complexo", ressaltou o mandatário. Ele, porém, salientou que, apesar das reduções, "continuaremos a ser líderes em receita".

FUTURO DE MESSI

Bartomeu também falou sobre a possibilidade de Lionel Messi deixar o Barcelona. O craque argentino se mostrou insatisfeito com o desempenho da equipe nesta temporada, especialmente após a perda do título espanhol para o arquirrival Real Madrid, e não assegurou que seguirá no time catalão depois de junho de 2021, quando se encerra o seu contrato.

O dirigente, porém, se mostrou confiante na permanência do camisa 10. "Messi já disse muitas vezes que iria se aposentar no Barcelona, no seu clube de toda a vida. E não tenho dúvidas de que Messi renovará", garantiu.

Neymar e outras negociações por reforços também foram assunto na entrevista. Com o prejuízo financeiro, Bartomeu afirmou que a prioridade é fazer trocas para adquirir novos jogadores, o que provavelmente inviabilizaria a volta de Neymar. "Agora estamos tomando decisões e os jogadores, se eles não provêm de trocas, é muito difícil que venham", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.