Bruno Cantini/Atlético
Bruno Cantini/Atlético

Presidente do Atlético-MG contesta arbitragem: 'Estão se borrando'

Sergio Sette Câmara afirma que atuação de juízes foi 'tragédia anunciada' com pênalti inexistente para o Cruzeiro

Redação, Estadão Conteúdo

27 Janeiro 2019 | 16h13

O presidente do Atlético Mineiro, Sérgio Sette Câmara, não poupou críticas à arbitragem após o empate por 1 a 1 com o rival Cruzeiro, no Mineirão, pela terceira rodada do Campeonato Mineiro. O dirigente contestou a marcação do pênalti convertido por Fred, que abriu o placar, e questionou o fato de que, pouco tempo depois, o árbitro Wanderson Alves deixou a partida deste domingo lesionado.

"Foi uma tragédia anunciada. Arbitragem horrorosa, tendenciosa, nos prejudicou, marcou pênalti inexistente. O árbitro machucou, mas permaneceu em campo até marcar o pênalti para o Cruzeiro", disse, ironicamente.

O dirigente afirmou, ainda que a arbitragem está com medo do Cruzeiro, por suposta pressão realizada pelo clube rival. "Recebi até mensagens de fora do Brasil questionando isso. E não é uma questão só dos árbitros que estão escalados. Toda arbitragem mineira é questionada, eles se borram, estão com medo do Itair Machado (vice de futebol do Cruzeiro), não estou entendendo o que está acontecendo", concluiu o presidente atleticano.

O clássico entre Cruzeiro e Atlético, disputado no Mineirão, terminou empatado por 1 a 1, com mais de 43 mil torcedores presentes ao estádio. Eram perto de quatro mil atleticanos, que tiveram direito a apenas 10% das entradas.

Fred abriu o placar de pênalti, em marcação bastante duvidosa e contestada pelos atleticanos. Na sequência, o árbitro deixou o jogo por lesão e Fábio Santos, também em cobrança de pênalti, empatou a partida.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.