Presidente do Atlético-PR, Petraglia é suspenso por críticas à arbitragem

Mais um presidente de clube foi punido pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por fazer críticas à arbitragem. Poucas após punir Peter Siemsem, do Fluminense, o tribunal decidiu por suspender por 30 dias o mandatário do Atlético Paranaense, Mário Celso Petraglia, de suas atividades no clube.

Estadão Conteúdo

30 de outubro de 2015 | 18h01

De acordo com a súmula do árbitro Wagner do Nascimento Magalhães, após o empate do Atlético-PR com o Cruzeiro, por 2 a 2, pela 30.ª rodada do Brasileirão, Petraglia esperou o trio de arbitragem na zona mista.

"(Petraglia) Falou, de forma irônica, as seguintes palavras para o árbitro ''está satisfeito com o que você fez? Veio a mando de quem? Vocês interferiram diretamente no resultado do jogo''", relata a súmula.

A Quarta Comissão Disciplinar do STJD acatou o pedido da procuradoria, que denunciou Petraglia por infração ao artigo 258, inciso II do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD): "desrespeitar os membros da equipe de arbitragem, ou reclamar desrespeitosamente contra suas decisões".

O auditor Leonardo Andreotti, votou pela aplicação de 30 dias de suspensão ao presidente do Atlético-PR, que é reincidente. Só um auditor optou por advertir Petraglia. Os demais dois acompanharam o relator.

Mais cedo, o STJD havia punido o presidente do Fluminense, Peter Siemsen, e o vice de futebol do clube, Mário Bittencourt, com uma suspensão de 60 dias por ofensas ao árbitro Leandro Pedro Vuaden após o primeiro jogo da semifinal da Copa do Brasil, contra o Palmeiras, na semana passada, no Maracanã.

Extremamente exaltado e indignado principalmente com um pênalti marcado no segundo tempo, quando Zé Roberto teria simulado uma falta após ser tocado por Gum, os dois dirigentes chegaram a precisar ser contidos pelo policiamento nos vestiários do estádio onde o time carioca venceu o confronto de ida do mata-mata por 2 a 1.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSTJDAtlético-PRBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.