Josep Lago/AFP
Josep Lago/AFP

Presidente do Barcelona de 1978 a 2000, Josep Lluís Nuñez morre aos 87 anos

Dirigente foi o responsável pela contratação de Maradona em 1982

Estadão Conteúdo

03 Dezembro 2018 | 15h02

Morreu, aos 87 anos, nesta segunda-feira, Josep Lluís Nuñez, presidente do Barcelona entre 1978 e 2000. "O Barcelona transmite as suas condolências à família neste momento difícil, bem como aos membros do clube e aos do mundo do futebol. Que ele descanse em paz."

Josep Lluís Nuñez i Clemente foi o presidente do período mais decisivo na história do Barcelona, com grandes mudanças na forma como o futebol operava em todo o mundo, particularmente em termos de finanças e atenção da mídia.

Nascido em 1931 na cidade basca de Barakaldo, mudou-se para Barcelona ainda jovem. Ele fez seu primeiro trabalho no clube nas primeiras eleições presidenciais democráticas após o fim da ditadura de Franco, em maio de 1978.

Embora fosse um empresário de sucesso, Nuñez era desconhecido para o mundo do esporte, mas seu slogan de campanha "Per un Barça triomfante" (Para um triunfante Barça) conseguiu reunir apoio suficiente entre os sócios para ganhar por uma margem estreita de votos, ao somar 10.352 votos, contra 9.537 para Ferran Ariño e 6.202 para Nicolau Casaus, dois candidatos que eram muito mais conhecidos por suas associações ao clube.

Em tantos anos na presidência, vários foram os bons e maus momentos. Mas Nuñez estava sempre muito preocupado em tornar o clube uma potência financeira e social.

Núñez incluiu Nicolau Casaus e outros membros de sua candidatura em seu conselho, incluindo Josep Mussons, que seriam importantes na formação de sua diretoria e atuariam como vice-presidentes durante seu mandato.

Seu primeiro grande sucesso no campo foi a Taça das Taças na Basileia (1979), a primeira vez que a equipe foi seguida por um enorme apoio em uma viagem, com 30 mil torcedores indo até a Suíça. O troféu foi ganho novamente em 1982, no mesmo ano em que Diego Maradona chegou como um superstar.

Mas Nuñez não iria desfrutar de um título até a temporada 1984/85. O clube não ganhava muitos troféus de futebol, mas em outras áreas estava se desenvolvendo fortemente, incluindo na criação de La Masia como residência para jovens atletas, a expansão do Camp Nou para a Copa do Mundo de 1982, a construção do Miniestadi, a inauguração do Museu em 1984, e o enorme aumento no número de sócios, que atingiu 100 mil pela primeira vez em 1982.

Outros esportes trouxeram sucesso. O time de basquete ganhou seu primeiro troféu continental em 1985 e o time de hóquei sobre patins foi campeão europeu de 1978 a 1985; para não mencionar a incrível equipe de handebol da época.

Mas sua primeira presidência terminou com a mais triste das notas. Em 7 de maio de 1986, o Barça foi derrotado na final da Liga Europa, em Sevilha, pelo Steaua Bucareste. O resultado dessa derrota incluiu o notório "Hesperia Mutiny", no qual os jogadores de 1988 pediram a renúncia do conselho do clube por causa da falta do aumento de salários, além do conflito às vezes muito pessoal entre Nuñez e o craque alemão Bernd Schuster.

Depois de não ter sido contestado para ganhar seu segundo mandato presidencial, a terceira eleição em abril de 1989 foi uma campanha dura para Nuñez. Mas ele finalmente derrotou Sixte Cambra de forma bastante convincente, com 58,2% dos votos.

Núñez reagiu e contratou Johan Cruyff para ser o técnico. A decisão trouxe resultados espetaculares. O Barça venceu quatro títulos espanhóis consecutivos (1990/1991 a 1993/1994) e a sua primeira Liga dos Campeões, em Wembley, em 1992.

A era do "Dream Team" continuou até 1996, e foi um período importante para Nuñez, apesar do grande revés na final da Liga dos Campeões, em Atenas, em 1994, para a outra grande equipe do início dos anos 90, o Milan. As extraordinárias esperanças do Barça foram frustradas por uma derrota por 4 a 0, marcando o fim de uma época.

Johan Cruyff saiu em 1996, uma decisão que Nuñéz descreveu como difícil, pois os sucessos de 1988 a 1996 aconteceram graças a uma parceria entre o presidente e o técnico que guiou a equipe em seu maior período da história.

A saída de Cruyff quebrou a equipe maravilhosa e levou a um período de divisão entre os torcedores do presidente e aqueles que ficaram do lado do técnico demitido. O Núñez conseguiu colocar a equipe de volta no caminho certo, com Bobby Robson e Louis van Gaal trazendo novos sucessos em campo, e as eleições de 1997 mostraram que os membros ainda estavam atrás dele, ao derrotar facilmente Àngel Fernández.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.