José Patrício/Estadão - 27/05/2013
José Patrício/Estadão - 27/05/2013

Presidente do Barcelona reitera que Neymar custou 57 milhões de euros

Contratação virou alvo de investigação por suspeitas de valores ocultados em contratos ilegais

Agência Estado

21 de janeiro de 2014 | 14h34

BARCELONA - O presidente do Barcelona, Sandro Rosell, reiterou nesta terça-feira que Neymar custou 57 milhões de euros (cerca de R$ 180 milhões) ao clube espanhol, conforme foi oficializado após a contratação do atacante junto ao Santos, em junho. A aquisição do astro virou alvo de investigação da Justiça espanhola, que apura se houve ocultação de valores por meio de contratos ilegais.

A confusão sobre o acordo entre os clubes começou quando Jordi Cases, sócio do Barça, entrou com uma ação na Justiça alegando que a transferência foi bem mais cara do que a anunciada oficialmente, enquanto o jornal espanhol El Mundo publicou na última segunda-feira que a contratação custou 95 milhões de euros (aproximadamente R$ 300 milhões). Um juiz já pediu ao clube que apresente o contrato do astro e outros documentos.

Apesar de todas as suspeitas, Rosell assegurou nesta terça: "Primeiro, uma reafirmação de que Neymar custou 57,1 milhões de euros e ponto. Pela enésima vez. Segundo, faço um pedido com todo meu respeito ao senhor juiz para que aceite o trâmite da queixa e me convoque a depôr".

Em seguida, o dirigente garantiu que "não há nada a esconder" nos contratos envolvendo Neymar e que "tudo é legal e impecável", assim como enfatizou que "o Barça é mil por cento transparente em tudo o que diz". De acordo com a reportagem publicada na última segunda-feira pelo diário El Mundo, o Barça pagou comissões secretas à família de Neymar para que o jogador optasse pelo clube catalão ao deixar o Santos.

Documentos da Justiça espanhola obtidos pela reportagem do El Mundo confirmam que os promotores locais suspeitam de "indícios de delitos" nos contratos entre o atacante, a empresa de seu pai e Rosell. Teoricamente, 40 milhões de euros (R$ 126 milhões) foram pagos à empresa do pai do atleta e outros 17 milhões de euros (R$ 53 milhões) para o Santos. A Audiência Nacional Espanhola, porém, exigiu do Barça as cópias dos contratos.

Nos supostos contratos secretos estariam 8,5 milhões de euros (R$ 26 milhões) que iriam para o pai de Neymar e outros 10 milhões de euros (R$ 31,6 milhões). O Barcelona ainda teria pago 7,9 milhões para reservar eventuais promessas que surgissem no Santos e mais 9 milhões de euros para jogar um amistoso contra o clube. A essa conta ainda deveriam ser somadas comissões para a realização de projetos sociais nas favelas, num valor de 2,5 milhões de euros. Outros 2 milhões seriam usados para buscar novos craques no Brasil, além de 4 milhões de euros (cerca de R$ 12 milhões) para atrair investidores brasileiros. Desse valor, outros 5% de comissão ao pai de Neymar mais uma vez seriam adicionados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.