Presidente do Botafogo: 'Será duro substituir Seedorf'

Mesmo assim, Mauricio Assumpção enalteceu o holandês, que será técnico do Milan

Marcio Dolzan, Agência Estado

14 de janeiro de 2014 | 15h17

RIO - O presidente do Botafogo, Maurício Assumpção, admitiu tristeza nesta terça-feira com a decisão de Seedorf, anunciada nesta tarde, de se aposentar dos gramados para assumir o cargo de novo técnico do Milan, iniciando uma nova fase de sua carreira no futebol. O dirigente exaltou o papel fundamental do craque para que o time carioca realizasse uma boa temporada em 2013 e o legado deixado pelo holandês, mas reconheceu que será "muito complicado" achar um substituto para o astro.

"Nesse nível não temos ninguém em vista e acho difícil achar alguém. Mas, como ele (Seedorf) disse hoje, o espírito deste elenco é um espírito vencedor e vai ser decisivo, e a participação dele aqui nos credencia a ir ao mercado internacional buscar um jogador assim, de alto nível", afirmou Assumpção, em entrevista coletiva, na qual se virou para Seedorf, sentado ao seu lado, para dizer diretamente ao agora ex-jogador: "Você foi importante no engrandecimento do clube, na formação dessa mentalidade (vitoriosa), você foi importante para esse projeto, você não tem ideia de como isso foi importante. Você não faz ideia de quanto você foi fundamental".

O sentimento de perda pela saída de Seedorf ganhou contornos melancólicos para o Botafogo também pelo fato de que o clube está prestes a disputar a sua primeira Libertadores desde 1996. "Obviamente, existe um sentimento de tristeza. Eu fico triste porque temos pela frente o desafio mais importante dos nossos últimos 17 anos de história. É óbvio que gostaríamos de contar com o Seedorf, mas ao mesmo tempo tenho orgulho muito grande dele fazer parte da história do Botafogo e o Botafogo fazer parte da história dele", completou o presidente botafoguense.

Já ao ser questionado sobre qual o impacto financeiro que teve a presença do craque em General Severiano, o dirigente preferiu destacar que os ganhos ficam em segundo plano ser for levada em conta a sustentação que o astro deu às categorias de base no clube.

"Quando se responde uma pergunta dessa eu deixo de valorizar a mais importante: o Seedorf no Botafogo. Meu (programa) sócio-torcedor pulou mais de 100%, isso é representativo. Mas tenho de falar da chancela que ele deu à base. Vi gerações surgirem e desaparecerem sem chancela. O Botafogo pode subir garotos com o Seedorf, convivendo com ele no dia a dia. Esse é o ganho maior de todos", sublinhou Assumpção, que ainda presenteou o holandês com um quadro contendo uma imagem do astro e a frase "Boa sorte" escrita em italiano.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBotafogoMilanSeedorf

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.