Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Presidente do Corinthians rouba a cena: 'Seis foi pouco'

Roberto de Andrade levantou a taça antes mesmo do volante Ralf

RAPHAEL RAMOS, O Estado de S. Paulo

22 de novembro de 2015 | 19h57

O presidente Roberto de Andrade roubou a cena na comemoração do hexacampeonato brasileiro do Corinthians. Após um rodízio de capitães, o combinado entre o técnico Tite e os jogadores era que o volante Ralf, atleta que mais partidas disputou pelo clube no elenco atual, levantaria a taça, mas foi o dirigente quem primeiro ergueu o troféu no estádio Itaquerão, em São Paulo.

Como o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, tem evitado deixar o Rio e aparecer em público desde a prisão de José Maria Marin, coube ao secretário-geral da entidade, Walter Feldman, entregar a taça a Andrade. Antes de repassar a Ralf, o dirigente levantou o troféu e, então, iniciou-se uma chuva de papel picado. Só depois de esbravejar é que o presidente resolveu entregar a taça para Ralf.

Andrade também aproveitou para provocar o São Paulo. "Seis foi pouco. O São Paulo merece oito", disse. O dirigente fez questão de dar a volta olímpica ao lado dos jogadores. "A emoção é muito grande. Sabíamos do potencial do São Paulo, que é um time grande, e nós precisávamos poupar alguns jogadores. Um placar como esse é de arrepiar. É até difícil encontrar palavras nesse momento".

Quem também chamou atenção na festa do título foi o ex-jogador Ronaldo. O Fenômeno estava acompanhando o jogo em um dos camarotes do estádio. Quando a sua imagem apareceu no telão, ele teve o seu nome gritado pela torcida. Depois, desceu para o gramado e participou da entrega da taça. "Sou corintiano, tenho de comemorar também. Um resultado tão expressivo contra um rival como o São Paulo é mais bonito. Eu me sinto parte do bando porque comecei essa revolução, essa mudança de status do Corinthians", disse Ronaldo, que jogou no Corinthians de 2009 a 2011.

Depois de Ralf erguer o troféu, a taça passou pelas mãos de todos os jogadores enquanto atletas, dirigentes e integrantes da comissão técnica corriam em volta do gramado. Tite foi o mais festejado. Por duas vezes o estádio gritou em coro "olê, olê, olê, olê! Tite, Tite".

A Fiel quebrou neste domingo novo recorde de público no Itaquerão, com 44.976 pagantes. A marca anterior era do confronto contra o Coritiba, no último dia 6, com 43.688.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.