Presidente do Cruzeiro defende Kléber e provoca rival

O presidente do Cruzeiro, Zezé Perrella, defendeu nesta quinta-feira o atacante Kléber, que foi criticado por ter imitado um galo ao comemorar o primeiro gol do time na goleada por 5 a 0 sobre o rival Atlético Mineiro, domingo, no primeiro jogo da final do estadual.

AE, Agencia Estado

30 de abril de 2009 | 20h51

"Fico abismado em ver um jogo de 5 x 0, em que a notícia tinha que ter sido o resultado do jogo, o que tomou boa parte dos noticiários foi a comemoração do Kléber, que para mim foi absolutamente normal", reclamou o dirigente, se referindo à provocação do jogador.

Para relativizar o episódio, Perrella lembrou outras comemorações que não geraram polêmica. "Lembro que em 2006 o Ramon fez gestos obscenos para a torcida do Cruzeiro. Em 2007, o Danilinho fez a mesmíssima coisa e eu não vi esse estardalhaço", destacou.

Sobre o próximo jogo, o presidente evitou o clima de "já ganhou", mas provocou o rival. "Só uma tragédia nos tiraria esse título", afirmou o dirigente, que se disse satisfeito com a equipe. "Acho que o time está bom para Campeonato Mineiro, mas nós não pegamos adversário difícil ainda. Aquele que achávamos que era difícil, nós demos de cinco".

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCruzeiroZezé PerrellaKléber

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.