Presidente do Egito se envolve em crise criada por goleiro

Hosni Mubarak quer uma solução rápida; goleiro da seleção, Essam Al-Hadary, quer jogar pelo Sion, da Suiça

EFE

04 de março de 2008 | 17h55

O presidente egípcio, Hosni Mubarak, se envolveu na crise criada no futebol de seu país pelo goleiro Essam Al-Hadary, que retornou ao Egito após ter fugido para a Suíça com o intuito de acertar com o Sion.Mubarak pediu à Federação de Futebol egípcia uma "solução rápida" para acabar com a polêmica criada por Hadary, considerado uma estrela em seu país após ter conquistado duas Copa Africanas de Nações com a seleção de seu país.Segundo a imprensa local, Mubarak fez este pedido nesta segunda-feira ao presidente da Federação de Futebol egípcia, Samir Zaher, a quem disse que a solução do problema de Hadary deve ser rápida pelo bem da seleção egípcia.Tudo começou no final de fevereiro, quando o Al Ahli, antiga equipe do goleiro, ficou sabendo que Hadary fugiu do país para assinar com o Sidon. Zaher afirmou que Mubarak deu instruções para que se cumpra o desejo de Hadary, mas pelos meios legais.

Tudo o que sabemos sobre:
Egitofutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.