Divulgação/Flamengo
Divulgação/Flamengo

Presidente do Flamengo defende foto de time sem máscara: 'Prendo a respiração'; fotógrafo é demitido

Rodolfo Landim descarta risco de contaminação em imagem que mostra atletas aglomerados em avião.Mais tarde, o dirigente decidiu pela demissão do responsável pela publicação da foto

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2020 | 15h32
Atualizado 25 de setembro de 2020 | 20h44

O presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, descartou nesta sexta-feira que os jogadores do time tenham corrido risco de se contagiar com o novo coronavírus ao se reunirem dentro de um avião para tirar uma foto sem máscara. O dirigente explicou que apesar do elenco ter 16 atletas contaminados, a aglomeração não representou perigo porque as pessoas prenderam a respiração.

A imagem foi divulgada pelas redes sociais do clube pouco antes de o time pegar o voo de volta do Equador ao Brasil após jogo pela Copa Libertadores. "É óbvio que, na hora de tirar uma foto, você não fica de máscara. Eu não tiro foto com máscara. Quando vou tirar uma foto, tiro a máscara, prendo a respiração e tiro a foto. Isso acontece com todo mundo. Vamos relevar isso aí. Os jogadores jogam sem máscara, é difícil de conter", disse ao canal SporTV.

Por causa do elevado número de atletas com novo coronavírus, o Flamengo chegou a pedir à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para adiar a partida de domingo contra o Palmeiras, no Allianz Parque, pelo Campeonato Brasileiro. "Achamos absurdo. Foram muitas pessoas. Coloco em xeque o tratamento que o Flamengo tem. Foi uma coisa excepcional", disse. 

Para o dirigente, o adiamento seria necessário porque mais atletas podem ter o vírus e ainda não tiveram resultado positivo detectado nos exames."A discussão para mim não é o número de jogadores. É o período da janela de infecção. Consultamos infectologistas que nos disseram que a carga viral foi absurda dentro do grupo. Alguns podem ter contraído no último momento, no avião, e é necessário cinco dias para dar um positivo ou não. Vamos deixar um monte de gente possivelmente contaminada jogando?", questionou o presidente do clube.

O dirigente explicou que por jogar a Copa Libertadores, o Flamengo está sujeito a um protocolo médico menos rígido e que aumenta o risco de contágio. "Os protocolos do Flamengo são seguros. O risco é maior na Libertadores do que no Brasileiro", afirmou. A equipe recentemente esteve no Equador para compromissos diante do Indepediente Del Valle e Barcelona de Guayaquil.

Mais tarde, a pedido de Rodolfo Landim, o clube rubro-negro demitiu o funcionário responsável por fotografar e publicar a imagem dos atletas sem máscara nas redes sociais da equipe. Matheus Grangeiro comentou a decisão em seu Instagram.

"Em 10 anos de futebol e 26 de vida, nunca fizeram algo tão covarde comigo como o que aconteceu nesta sexta-feira. Apenas agradecer o CRF pela oportunidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.