Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Presidente do Flamengo presta depoimento sobre incêndio no Ninho do Urubu

Polícia ouve Rodolfo Landim para apurar causas da tragédia que causou a morte de dez garotos

Ciro Campos, Raphael Ramos, O Estado de S. Paulo

21 de março de 2019 | 16h35

O presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, prestou depoimento na manhã desta quinta-feira no 42º Distrito Policial, no Recreio dos Bandeirantes, no Rio. Acompanhado por um advogado e por membros da diretoria da clube, o dirigente foi ouvido pelos policiais durante cerca de duas horas para o inquérito que investiga a morte de dez garotos das categorias de base em um incêndio no Ninho do Urubu, em 8 de fevereiro.

Landim foi à Polícia Civil para prestar esclarecimentos e explicar como era a atuação do clube no local antes da tragédia. A polícia espera concluir o inquérito no começo de abril e aguarda para as próximas semanas outros depoimentos. As principais oitivas serão com dirigentes da gestão anterior do Flamengo, encerrada em dezembro do ano passado.

O ex-presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, será um dos ouvidos, assim como o vice-presidente de patrimônio Alexandre Wrobel, que era o responsável pelas obras no Ninho do Urubu. O objetivo do trabalho é apurar as causas do incêndio, assim como identificar os possíveis responsáveis. Segundo a perícia, o fogo começo após um curto-circuito no ar-condicionado de um dos quartos do alojamento.

Enquanto a negociação avança, grande parte das famílias das vítimas tem reclamado da falta de acordo com o clube pelas indenizações. Na última terça-feira um grupo de advogados que representam os parentes de sete garotos convocou uma entrevista coletiva em que reclamaram da falta de interesse do Flamengo para se reunir e negociar o pagamento das indenizações.

O clube se defendeu em nota oficial logo depois. No texto, a diretoria reiterou ter conseguido fechar acordo com uma família e ter negociação com outras três, além de afirmar que na primeira tentativa de acordo coletivo, em 21 de fevereiro, os advogados não aceitaram a proposta de indenização e encerraram possíveis contatos por contrapropostas.

EM ESPERA

Cerca de 40 dias depois da tragédia, a situação das famílias é de espera. O Estado entrou em contato com parentes de familiares, que relataram estarem distantes do processo e no aguardo de soluções conseguidas pelos advogados nos contatos com o clube. Como alguns dos garotos que morreram não eram do Rio, os parentes têm deixado a negociação nas mãos dos representantes.

O Flamengo paga uma ajuda de custo de R$ 5 mil mensais para as nove famílias que ainda não entraram em acordo. O clube alega que gastou até o momento mais de R$ 200 mil com passagens aéreas, hospedagens e traslado dos corpos das vítimas. Dos 16 jogadores sobreviventes, a diretoria já fechou acordo de indenização com 13 famílias e está em negociação com as três restantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.