Gilvan de Souza/Flamengo
Gilvan de Souza/Flamengo

Presidente do Flamengo rebate as insinuações do Palmeiras: 'Acho ridículo'

Alexandre Mattos e Felipão dizem ter "convicção" de que coisas estranhas estão ocorrendo nas últimas atuações dos árbitros

Estadão Conteúdo

22 Outubro 2018 | 13h22

Flamengo e Palmeiras disputam uma "decisão" do Campeonato Brasileiro, neste sábado, às 19 horas, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, pela 31.ª rodada. E o clima não poderia estar mais agitado. Depois de o diretor de futebol do time paulista, Alexandre Mattos, e o técnico Luiz Felipe Scolari afirmarem que têm a "convicção" de que coisas estranhas estão ocorrendo nas últimas atuações dos árbitros nos jogos da equipe, agora foi a vez de Eduardo Bandeira de Mello, presidente do clube carioca, rebater as insinuações.

"Acho ridículo o Palmeiras falar que o Flamengo está sendo beneficiado pela arbitragem. Em 2015, lá na Arena, tivemos dois pênaltis, um no Pará e outro no Guerrero, que não foram marcados. Em 2016, o Márcio Araújo foi expulso injustamente no primeiro tempo. Em 2017, na Ilha do Governador, no 2 a 2, os dois gols do Palmeiras foram irregulares e o juiz ainda anulou um gol legítimo do Guerrero. E este ano teve Felipe Melo e camburão. Por isso, acho ridículo falar em favorecimento para o Flamengo", disse Bandeira de Mello.

Os palmeirenses reclamam dos cartões amarelos aplicados a Lucas Lima, Mayke, Bruno Henrique e o vermelho dado a Deyverson na vitória por 2 a 1 sobre o Ceará, no último domingo, no estádio do Pacaembu, em São Paulo.

"O Flamengo está sendo sistematicamente prejudicado neste campeonato. Foi contra Chapecoense, Vitória, Palmeiras, Ceará e até em jogos que vencemos como Cruzeiro e Atlético-MG", completou o presidente.

O Flamengo soma 58 pontos no Brasileirão, quatro a menos que o líder Palmeiras. Enquanto o time paulista joga o primeiro duelo contra o Boca Juniors, na Argentina, pela semifinal da Copa Libertadores, nesta quarta-feira, a equipe carioca só volta a atuar no fim de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.